X

Polícia

Mulher de gerente de banco e filha são sequestradas em Mongaguá

Um falso explosivo foi colocado junto ao corpo do gerente; os bandidos exigiram que ele fosse ao banco para pegar dinheiro do cofre

Gilmar Alves Jr.

Publicado em 05/09/2018 às 12:24

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Ao chegar à agência, no Centro, o próprio funcionário retirou o artefato do corpo / Reprodução/Google Maps

Criminosos sequestraram na manhã desta quarta-feira (5) a mulher e a filha de 11 meses de um gerente de banco, em Mongaguá, e exigiram que o homem pegasse dinheiro do cofre da agência para pagar o resgate. Um explosivo foi colocado junto ao corpo dele. No banco, ele retirou o artefato e a polícia foi acionada. Diante da ação policial, os bandidos decidiram libertar as vítimas e abandonar um Corsa Sedan usado no crime.

Ninguém se feriu e até a tarde desta quarta-feira (5) os ladrões ainda não tinham sido presos. Três assaltantes participaram do arrebatamento, segundo a polícia, e existe a suspeita de que outros homens participaram do crime para monitorar a ida do gerente à agência do Banco do Brasil, que é situada na Avenida São Paulo, 1.359, no Centro.

Devido ao artefato, o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar foi acionado para analisar o objeto e o levou para a capital paulista, onde a 4ª Companhia de Choque irá fazer um relatório.

Abordagem

O gerente, de 37 anos, iria sair de casa, em Mongaguá, com destino ao trabalho quando foi rendido pelos bandidos. O trio colocou a mulher dele, de 29, e o bebê no Corsa Sedan, sob graves ameaças, exigiu que o funcionário fosse à agência com duas mochilas para recolher o dinheiro do cofre.

Durante o sequestro em andamento, as polícias Militar e Civil foram acionadas para a agência bancária. Os ladrões então libertaram as vítimas no Parque Vergara, em Itanhaém, e fugiram. O Corsa abandonado pelo trio consta como roubado, com registro no 55º Distrito Policial da capital paulista, no Parque Rafael, zona leste.

Investigação

Policiais civis coletaram imagens de monitoramento para análise. O caso foi registrado na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Itanhaém e a apuração conta com apoio da Delegacia Especializada Antissequestro (Deas) de Santos.

Banco

Por meio de nota, o Banco do Brasil informou que "presta todo o apoio necessário ao funcionário e sua família, por meio do programa interno de atendimento às vítimas de assaltos e sequestros".

"A política interna do Banco prioriza a adoção de procedimentos específicos para segurança de seus funcionários, com o objetivo de evitar situações de risco dessa natureza”, afirmou a instituição.  

O banco também diz que colabora com o processo de investigação.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EVENTO CULTURAL

Santos recebe exposição que celebra os 150 anos da imigração italiana

Para uma imersão completa na cultura italiana, uma programação com diversas apresentações

Santos

Santos abre concursos públicos com salários que ultrapassam R$ 7,5 mil

A prova objetiva está prevista para 14 de abril e a prova de títulos será aplicada aos candidatos aprovados na objetiva

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter