Baixada Santista registra três casos de homicídio em 24h

Os crimes ocorreram em Praia Grande, Guarujá e São Vicente; as vítimas foram dois homens e uma mulher

Comentar
Compartilhar
08 FEV 2017Por Gilmar Alves Jr.19h19
No crime mais recente, em São Vicente, balconista foi achada ao lado do barraco onde morava com o companheiroNo crime mais recente, em São Vicente, balconista foi achada ao lado do barraco onde morava com o companheiroFoto: Divulgação/Polícia Civil

Os corpos de três vítimas de homicídio foram encontrados entre terça-feira (7) e esta quarta-feira (8) nas cidades de Praia Grande, Guarujá e São Vicente. As motivações são distintas e até a noite desta quarta ninguém havia sido preso.

A primeira vítima é o auxiliar de enfermagem Claudio Bataglia, de  57 anos, encontrado no quarto da casa onde morava, na Rua Oceânica Amabile, no bairro Ocian, em Praia Grande. O crime foi descoberto pela Polícia Militar após uma corretora de imóveis, conhecida de Bataglia, estranhar o sumiço dele.

Os policiais encontraram um saco plástico na boca do auxiliar de enfermagem. Uma bandagem no pescoço prendia o saco plástico.

A segunda vítima foi uma travesti cujo nome é Fabio dos Santos Silvestre, de 34 anos, achada morta às 5h20 desta quarta-feira na Avenida Dom Pedro I, no bairro Enseada. Foram constatados sinais de agressão física na face e no tórax da vítima. Há suspeita de que um tijolo tenha sido usado para causar as lesões. 

O terceiro homicídio teve como vítima a balconista Tatiana Freitas Azevedo, de 34 anos. O corpo, parcialmente queimado e despido, foi encontrado, na manhã desta quarta, em uma cova improvisada ao lado do barraco onde a vítima morava com o companheiro, na região da Fazendinha, na Área Continental de São Vicente.

O homem, de 27 anos, é apontado pela Polícia Civil como o principal suspeito e ainda não foi localizado.Os policiais detectaram sinais de estrangulamento no corpo de Tatiana.

Inquéritos

Os casos de Praia Grande e Guarujá serão apurados pelo Setor de Homicídios da Delegacia Especializada Antissequestro de Santos (Deas). Já o caso de São Vicente, cuja investigação sobre a autoria já está avançada, ficará a cargo do 3º Distrito Policial (Jardim Rio Branco).

Denúncias que ajudem nas investigações dos casos podem ser transmitidas pelo telefone 181 (Disque-Denúncia). Não é necessário se identificar.