X

UM NOVO COMEÇO

Presidente da Câmara de Santos diz que momento do PSDB é de 'reconstrução'

Em conversa com a Reportagem dias antes do aniversário de Santos, Cacá Teixeira destacou momento de seu partido

LG Rodrigues

Publicado em 03/02/2023 às 07:45

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Na Região, a legenda também acabou perdendo nomes importantes para sua composição, como o do prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, hoje deputado federal eleito e integrante da bancada do MDB / REPRODUÇÃO / FACEBOOK

O atual presidente da Câmara dos Vereadores de Santos crê que 2023 será um ano para que Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), sua legenda de mais de 30 anos, comece um processo de reconstrução. Em conversa com a Reportagem a respeito do que Santos poderia aguardar em seu 477º aniversário, o parlamentar também aproveitou a oportunidade para falar o que espera de seu partido até o fim de dezembro.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Derrotado nas eleições estaduais de 2022, quando o PSDB encerrou uma sequência de mais de duas décadas emplacando governadores no Estado de São Paulo, a legenda tucana seguiu tendo outros reveses. Após a saída de João Dória, os peessedebistas tiveram sua participação diminuída nas urnas e viram outros partidos crescerem na cabeça do eleitorado brasileiro como Republicanos e União Brasil.

“Nós perdemos muito, muitas cadeiras, tanto na Câmara Federal, como também no Senado e perdemos o governo do Estado que víamos aí há décadas e agora temos um novo governador, de um partido, apoiado pelo Presidente da República na ocasião, mas também fizemos aí o contraponto. Hoje temos dois governos diferentes, tanto com o governo federal, dirigido pelo Partido dos Trabalhadores e com parceria com o PSB do Geraldo Alckmin, que até pouco tempo fazia parte das fileiras do PSDB”, explicou Cacá.

Na Região, a legenda também acabou perdendo nomes importantes para sua composição, como o do prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, hoje deputado federal eleito e integrante da bancada do MDB. No último dia 29, a senadora Mara Gabrilli também foi outra política que decidiu deixar os tucanos para se unir aos PSD de Gilberto Kassab. No mesmo dia, em entrevista, ela declarou que o PSDB havia se tornado um ‘nanico moral’.

“O PSDB ele precisa se reinventar, precisa ter uma nova discussão. O Eduardo Leite como presidente nacional e esperamos que tenhamos um bom presidente aqui regional no nosso partido e possamos recolher né, os ‘cacos’ aí dessas eleições e possamos constituir. É um momento de reconstrução. Eu acho que é a tônica da discussão nossa é a reconstrução. Fala-se em federação também com outros partidos, como o Podemos, temos aí já parceria com o Cidadania e vamos tentar reconstruir o partido. Esperamos que o PSDB ainda continue com essa sigla”, disse Caca.

O presidente do Legislativo santista, entretanto, crê que a sigla segue com prestígio junto às autoridades e projeta que Santos, e toda a Baixada Santista, devem seguir sendo auxiliadas pelos políticos tucanos.
“Essa aproximação do governo federal acho que deve acontecer através de ações dos deputados da região, especialmente do Paulo Alexandre, que pertence ao meu partido, ao PSDB, onde eu estou há trinta anos, meu único partido”.

POSSE.
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, já atua à frente da legenda. No último dia 27, ele assumiu o cargo e, ontem (2), a Executiva Nacional foi dissolvida. A convenção nacional do PSDB está marcada para 31 de maio.

"Não estamos falando aqui em 'ter o partido', mas da responsabilidade de conduzir o PSDB, respeitando suas lideranças e sua história. Vamos formar uma nova executiva que tenha essa representatividade", reforçou Eduardo Leite durante a última semana de janeiro em texto publicado pelo portal do PSDB.

O objetivo, segundo ele, é discutir internamente as bandeiras e propostas tucanas para alinhar o partido. "Precisamos entender qual a agenda que nos une e, unidos, sairmos pelo Brasil mostrando que vale a pena acreditar na política feita com moderação e respeito, como faz o PSDB", afirmou. "Precisamos entender quem somos e como vamos passar isso para a sociedade".
 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

Nacional

Não perca as contas: você sabe quantas vezes o cantor Fábio Jr. se casou?

A lista é bem extensa e pode confundir os fãs

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter