X

Brasil

Mocidade Alegre é campeã do Carnaval de SP após 9 anos de jejum

A escola desfilou no segundo dia de apresentações e impressionou, principalmente, pelas fantasias e carros alegóricos elaborados e "diferentões"

Folhapress

Publicado em 21/02/2023 às 18:01

Atualizado em 22/02/2023 às 13:45

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Mocidade Alegre é uma das agremiações mais vencedoras do Carnaval de SP / Alice Vergueiro/Folhapress

A Mocidade Alegre é campeã do Carnaval de São Paulo 2023! A escola, que acumulava 10 títulos em sua história, não vencia desde 2014. Neste ano, ela levou para o Sambódromo do Anhembi um enredo sobre a história do samurai negro Yasuke e teve a vitória confirmada nesta terça-feira (21). Terceiro Milênio e Vila Maria foram rebaixadas do Grupo Especial para o Acesso.

A Mocidade desfilou no segundo dia de apresentações e impressionou, principalmente, pelas fantasias e carros alegóricos elaborados e "diferentões". A rainha de bateria Aline de Oliveira usou uma máscara de dragão que abria e fechava sozinha. A coreografia dos integrantes da bateria também surpreendeu o público.

"Estou muito feliz. Obrigada, meu Deus! Estava batendo na trave toda hora, agora foi. Parabéns, Jorge Silveira [carnavalesco]", afirmou a presidente da escola, Solange Cruz. "O segredo é um misto: sorte, trabalho... é um jogo", completou o mestre Sombra.

Figura emblemática nas apurações sempre aflita e cheia de terços nas mãos, Cruz disse ao UOL antes do desfile que nunca faz Carnaval para brigar para voltar no Desfile das Campeãs, muito menos para apenas tentar se manter no Grupo Especial.

"A Mocidade sempre vem pro título porque a gente se prepara para isso. Aqui não existe se preparar para ficar entre as cinco, se preparar para não cair. Ser campeão ou não é diferente. Não depende de nós, é com o jurado", disse na ocasião.

A apuração começou com predomínio da nota 10. Apenas a Acadêmicos do Tucuruvi perdeu um décimo já no primeiro quesito: Harmonia. A ordem da leitura de quesitos tinha sido definida na segunda (20), por sorteio, determinando inclusive os critérios de desempate e determinando que não houve penalidades graves que levassem ao desconto de nota.

Ao término do terceiro quesito, Enredo, sete escolas ainda estavam empatadas na primeira colocação. Foi apenas no quatro quesito, Alegoria, que as coisas começaram a mudar, com uma grande distribuição de notas 9,9 e 9,8 por parte dos jurados. A partir daí, foram Mancha Verde, campeã no ano passado, e a Mocidade Alegre que tomaram a dianteira.

Ao todo, 14 escolas participaram dos desfiles do Grupo Especial. A primeira noite foi marcada por apresentações mornas, tendo se destacado as escolas Rosas de Ouro, Tom Maior e Gaviões da Fiel com enredos que trataram temas espinhosos, como racismo e intolerância religiosa. Já na segunda, foram Mancha, Mocidade e Casa Verde que empolgaram com homenagens à África e ao Nordeste.

Ao início da apuração, que começou por volta das 16h, o locutor Zulu fez um discurso sobre o orgulho de ser negro. Na tarde desta terça-feira (21), a Liga das Escolas der Samba de São Paulo já havia divulgado uma nota se opondo "às falas de cunho racista, manifestadas por falta de conhecimento durante o início do desfile da X-9 Paulistana, no último domingo (19)".

Na ocasião, o presidente da escola, mestre Adamastor, pediu que os membros da escola erguessem os punhos cerrados — símbolo da luta antirracista— e completou que isso não significava "porr* nenhuma". Após a repercussão negativa, ele disse que suas falas "eram para motivar os integrantes da escola e que não houve nenhuma relação com banalização ou racismo".

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

Cotidiano

Biquíni com casaco? Litoral de SP terá sol nos próximos dias, mas sem calor

Apesar da presença constante do sol, as máximas não passam dos 23 graus

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter