RIO GRANDE DO SUL

Caxias do Sul é atingida por tremor e moradores deixam suas casas

Segundo a Defesa Civil, os tremores podem ser resultado da acomodação do solo após as fortes chuvas que atingiram a região

Cristina Camargo e Bruno Lucca, Folhapress

Publicado em 13/05/2024 às 17:00

Atualizado em 13/05/2024 às 18:40

Comentar:

Compartilhe:

Na manhã deste domingo (12), um deslizamento de terra destruiu um loteamento na zona norte de Caxias e matou um homem / Divulgação/Prefeitura Caxias do Sul

Moradores de Caxias do Sul, na serra gaúcha, sentiram a terra tremer na madrugada desta segunda-feira (13) em meio à tragédia causada pela enchente histórica enfrentada pelo Rio Grande do Sul.

O tremor - de grau 2.4, segundo o Observatório de Sismologia da UNB (Universidade de Brasília) - fez com que moradores deixassem suas casas com medo de desabamento em alguns bairros da cidade. Ele foi sentido principalmente nos bairros Madureira, Universitário e na região central da cidade.

Segundo a Defesa Civil do município, os abalos foram causados pela acomodação de camadas rochosas subterrâneas, eventos recorrentes na região. As fortes chuvas recentes podem ter acelerado a situação, disse o órgão.

O Corpo de Bombeiros orienta a população a deixar as residências em casos de rachaduras nas paredes ou vigas de prédios, ou casas. A corporação informou que atendeu diversos chamados e orientou os moradores.

Há a possibilidade de os tremores serem resultado da acomodação do solo após as fortes chuvas que atingiram a região.

Na manhã deste domingo (12), por volta das 6h, um deslizamento de terra destruiu um loteamento na zona norte de Caxias e matou um homem em um momento em que chovia na cidade.

A vítima é o funcionário público Luciano Henrique Santos Lacava, 49, que trabalhava há 20 anos na Codeca (Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul). Ele foi soterrado no prédio do setor administrativo do complexo de britagem do município. O vigilante Felipe Drum da Silva foi resgatado dos escombros com ferimentos leves e encaminhado para atendimento médico.

Um segundo deslizamento, às 11h, destruiu a usina de asfalto da Codeca. Não há previsão para a retomada do funcionamento do equipamento e produção de asfalto.

"Junto com a perda desse servidor, perdemos a principal resposta do município ao enfrentamento desse quadro de desastre ambiental. Todo nosso complexo de britagem está isolado, a usina de asfalto destruída e não é de um dia para o outro que vamos conseguir reverter", disse o prefeito Adiló Didomenico (PSDB).

Oito pessoas morreram em Caxias do Sul devido aos deslizamentos causados pelas chuvas dos últimos dias. Uma mulher está desaparecida.

As fortes chuvas do Rio Grande do Sul deixaram ao menos 145 mortos, de acordo com boletim divulgado às 20h40 deste domingo. O número pode subir nos próximos dias, pois ainda há 132 desaparecidos, segundo a Defesa Civil gaúcha.

As mortes ocorrem em 44 cidades, conforme a Defesa Civil, e há 806 feridos.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Litoral de SP é cenário perfeito para avistamento de baleias; veja praias e regras

Segundo o Ministério do Turismo, a prática atrai, aproximadamente, dez mil turistas por ano e movimenta cerca de R$ 3 milhões

Bertioga

Com custeio do Estado, Hospital de Bertioga atenderá todo Litoral de SP

Governador visitou as obras do novo complexo hospitalar e confirmou o compromisso do governo estadual

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter