X

MAIOR DA HISTÓRIA

A Majestade descansa. Até sempre, Rei! Pelé morre aos 82 anos de idade

O Rei do Futebol tratava de um câncer de cólon; doença foi identificada em setembro do ano passado

Da Reportagem

Publicado em 29/12/2022 às 16:05

Atualizado em 29/12/2022 às 18:46

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Pelé tratava de um câncer de cólon; a doença foi identificada em setembro do ano passado / Twitter/CBF_Futebol

O Brasil e o mundo perderam nesta quinta-feira (29) o Rei do Futebol. Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, morreu aos 82 anos.

Pelé tratava de um câncer de cólon. A doença foi identificada em setembro do ano passado.

Desde então, Pelé passou por diversas internações no Hospital Albert Einstein, em São Paulo e seguiu o tratamento em casa.

Desde a divulgação do diagnóstico do câncer de cólon, o ex-atleta seguiu uma rotina periódica de tratamento. Na época, ele também passou por uma cirurgia para a retirada do tumor e fez sessões de quimioterapia.

Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, deixa seis filhos, entre eles Edinho que foi goleiro do Santos FC, além da esposa Marcia Aoki, com quem se casou em 2016.

Uma lenda

Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, é considerado o maior jogador da história do futebol, e recebeu o título de Atleta do Século (20) em 1981. O reconhecimento foi promovido pelo jornal francês "L'Equipe", mas a admiração já era mantida por milhares de pessoas em todo o mundo.

Pelé nasceu na cidade mineira de Três Corações. É filho de Celeste e de João Ramos do Nascimento, que também foi jogador de futebol no sul de Minas Gerais e ficou conhecido como Dondinho. Foi ao pai que o futuro Rei do Futebol manifestou desde criança a vontade de ser jogador. À época, ele sempre assistia às partidas de Dondinho ao lado do tio, Jorge, seu parceiro inseparável.

O apelido que o tornou conhecido mundialmente surgiu de um episódio relacionado a um goleiro, que era amigo de Dondinho. Ao assistir ao pai durante um jogo em 1943, Pelé se impressionou com as defesas do goleiro e gritava “Boa, Bilé”. Na ocasião, algumas pessoas o chamaram de “Bilé”, mas as crianças acabaram entendendo o apelido como “Pelé”.

A família decidiu se mudar para a cidade de Bauru, no interior paulista, em 1945. Aos dez anos, Pelé já jogava em times infanto-juvenis da região como: Canto do Rio, Ameriquinha e Baquinhos. Mais tarde, o pai decidiu que o filho poderia montar um time próprio e criou o Sete de Setembro. No início, a então nova equipe precisou vender produtos em entradas de cinema e praças para comprar materiais como bolas e uniformes. Pelé chegou a trabalhar também como engraxate.

Pelé foi descoberto aos 11 anos pelo jogador Waldemar de Brito, que o convidou para jogar no Bauru Atlético Clube. Foi também Waldemar que o apresentou à Vila Belmiro no dia 8 de agosto de 1956 dizendo: "Esse menino vai ser o melhor jogador de futebol do mundo". Começava então a carreira de Pelé no Santos F.C., estreando em um jogo amistoso contra o Corinthians de Santo André no qual Pelé marcou um gol e terminou com o placar de 7x1 para o Peixe.

Já aos 16 anos, o craque participou de um torneio de quatro equipes europeias e brasileiras. Pelé integrou um time que combinava jogadores do Santos e do Vasco da Gama e marcou três gols em uma das partidas. 

A consagração do talento incomparável de Pelé veio na Copa do Mundo da Suécia, em 1958, na qual a seleção brasileira foi pela primeira vez campeã mundial com seis gols do Rei. Aliás, foi em 1961 que a imprensa francesa o apelidou com esse adjetivo majestoso, destacando as jogadas que foram criadas e aperfeiçoadas por ele como o chute a gol do meio do campo, a paradinha na cobrança de pênalti, o drible sem bola no goleiro e a tabela nas pernas do adversário.

Na Copa do Chile, em 1962, o craque sofreu uma distensão muscular em uma partida contra a Checoslováquia, o que o obrigou a deixar o torneio, no qual Garrincha teve grande destaque.

Pelé também jogou na Copa da Inglaterra, em 1966.

Naquele mesmo ano, casou-se com Rosemeri Cholbi com quem teve três filhos: Kelly Cristina, Edson (Edinho) e Jennifer.

Em 1969, o talento de Pelé era tamanho que chegou a ajudar a interromper um conflito em meio à guerra civil no Congo Belga, quando os combatentes rivais decidiram dar uma trégua nas batalhas para que o craque e a equipe do Santos F.C. pudessem passar com segurança pela região entre Kinshasa e Brazzaville. No ano seguinte, na Copa do México, Pelé estava junto aos demais brasileiros que trouxeram para casa a taça Jules Rimet para casa.

Em sua partida de número 909, Pelé registrou mais um feito de destaque quando marcou seu milésimo gol no dia 19 de novembro de 1969, às 23h11, na disputa do Santos contra a o Vasco da Gama, que terminou com o placar 2x1 para a equipe da Baixada. Naquela ocasião, ao falar para repórteres, o jogador disse: "Pensem no Natal. Pensem nas criancinhas". Em seguida, ele vestiu uma camisa com o número 1000 e deu a volta olímpica no Maracanã.

Ao longo de sua história, Pelé jogou pela seleção brasileira em 115 partidas, sendo 92 oficiais, e tendo marcado no total 103 gols. A última partida junto à seleção foi em 18 de julho de 1971, que terminou com o placar de 2 a 2 contra a Iugoslávia.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Guarujá amplia horário comercial até meia-noite

Comerciantes da região podem manter seus estabelecimentos abertos das 8 horas até a meia-noite

Polícia

Adolescente mata pais a martelada e ateia fogo no quarto

O crime teria ocorrido após uma discussão da família

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter