X

Mundo

Incêndio do norte da Califórnia já é o pior da história do estado

Devido aos fortes ventos que sopram na região, a fumaça se deslocou por centenas de quilômetros e atingiu a Baía de São Francisco (cerca de 280 km ao sudoeste), onde foi declarado o alerta vermelho por causa da má qualidade do ar.

Agência Brasil

Publicado em 12/11/2018 às 00:58

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O incêndio que desde a quinta-feira queima o norte da Califórnia e que causou a morte de pelo menos nove pessoas já é considerado o mais destrutivo da história do estado, tendo arrasado mais de 6.500 imóveis e engolido praticamente toda a cidade de Paradise.

Os serviços de emergência indicaram em entrevista coletiva neste sábado que o Camp Fire acabou com 6.453 casas, 260 edifícios comerciais e 40.500 hectares. O Corpo de Bombeiros conseguiu conter 20% das chamas até o momento. A maioria dos prédios atingidos está em Paradise, de 26 mil habitantes. Além das nove mortes confirmadas ontem, 35 pessoas continuam desaparecidas no estado.

O trânsito intenso que se formou no momento de saída da cidade fez com que muitas pessoas abandonassem seus carros no meio da estrada e fugissem a pé, o que, por sua vez, congestionou ainda mais as vias de circulação e gerou uma situação caótica.

Devido aos fortes ventos que sopram na região, a fumaça se deslocou por centenas de quilômetros e atingiu a Baía de São Francisco (cerca de 280 km ao sudoeste), onde foi declarado o alerta vermelho por causa da má qualidade do ar.

Em paralelo ao Camp Fire, outros dois incêndios de menor proporção estão ativos no sul do estado, perto de Los Angeles, sendo o maior deles o Woolsey Fire, que segundo informaram as autoridades neste sábado já arrasou 28 mil hectares.

Dois corpos foram encontrados na cidade de Malibu, mas a Polícia do condado de Los Angeles afirmou em comunicado que "ainda é cedo demais" para determinar se essas pessoas morreram pelo fogo ou por outras circunstâncias.

As chamas destruíram várias casas em Malibu, Calabasas e Thousand Oaks. Ao todo, mais de 250 mil casas tiveram que ser esvaziadas na Califórnia, entre elas as de famosos como Lady Gaga, Kim Kardashian e Cher.

Mais cedo, o presidente americano, Donald Trump, culpou às autoridades californianas pela "má gestão" florestal e ameaçou cancelar futuras ajudas federais.

"Não há razão para esses incêndios florestais enormes, mortais e onerosos na Califórnia, exceto pelo fato de a gestão florestal ser tão pobre. Bilhões de dólares são dados todos os anos e tantas vidas foram perdidas, tudo por causa da má administração das florestas. Ou se remedia agora ou não haverá mais pagamentos federais!", afirmou Trump no Twitter.

Ontem, o presidente aprovou uma declaração de emergência para o estado, que oferece às regiões afetadas ajuda e suporte aéreo, mas afirmou que poderia não voltar a fazer isso futuramente.

Os três incêndios se propagaram com muita rapidez por conta da baixa umidade e dos ventos fortes, que conhecidos como Ventos de Santa Ana, se originam no interior da Califórnia e são extremamente secos.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Mercado Dia faz queima de estoque com descontos de até 90% na Baixada; veja endereços

Em março, a rede anunciou o fechamento de 340 lojas no País. Na Região, o fechamento atingiu mais de 25 unidades

Cotidiano

Trabalhadores portuários protestam em Santos

Inicialmente, a paralisação será de 6 horas, indo das 7h até as 13h.

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter