X

Inusitado

Dormiu rico e acordou pobre, conheça a história de 'ex-milionário' que processa loteria

Prêmio de US$ 340 milhões não foi pago a 'vencedor' de loteria

Da Reportagem

Publicado em 21/02/2024 às 16:23

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

John explica que havia escolhido os números levando em consideração uma combinação de datas de aniversário de familiares e outras pessoas especiais de sua vida / Ryan Brooklyn / Unsplash

Um homem entrou na Justiça estadunidense após ele ter acreditado que ganhou US$ 340 milhões. John Cheeks comprou um bilhete da 'Powerball' no começo do ano e, após conferir os números, descobriu que havia sido o vencedor do prêmio. Os administradores do site, entretanto, afirmaram que a sequência havia sido postada de forma equivocada e que outros números haviam sido sorteados e o caso deve parar nos tribunais. As informações são do The Guardian.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Morador de Washington, capital dos Estados Unidos, John efetuou a compra do bilhete no dia 6 de janeiro do ano passado. Cheeks não chegou a checar o site no dia seguinte ao sorteio, mas verificou os números dois dias depois e descobriu que sua sequência havia sido sorteada.

John explica que havia escolhido os números levando em consideração uma combinação de datas de aniversário de familiares e outras pessoas especiais de sua vida.

"Fiquei um pouco animado, mas não saí gritando. Só liguei de forma educada para um amigo e tirei uma foto, como ele me recomendou, e fui dormir", afirma.

Foi neste momento que tudo começou a dar errado.

John levou o bilhete até o escritório da loteria em equestão para receber seu prêmio, mas tudo que recebeu de volta foi uma resposta negativa. Em documentos da Justiça, há a alegação de que os administradores negaram o pedido e afirmaram, por meio de carta, que 'o prêmio do peticionário foi negado porque o bilhete não validou como um vencedor no Sistema de apostas da OLG belas regulações da OLG".

Além disso, John afirmou que foi abordado por um funcionário da empresa que afirmou que ele deveria jogar o bilhete na lixeira porque ele não valeria nada, e apontou uma lata de lixo.

Indignado, Cheeks guardou o bilhete em questão, contratou um advogado e processou a Powerball. Outras empresas citadas na ação são a 'Multi-State Lottery Association' e a 'Taoti Enterprises'. Em declarações, uma gerente da Taoti afirmou que, em 6 de janeiro, a equipe de garantia de qualidade estava conduzindo um teste envolvendo a mudanças de fusos de horários. Às 12h09 daquele dia, a equipe, segundo ela, acidentalmente postou os números no site, ao invés de em um ambiente virtual de desenvolvimento que imitava o site, mas que não estaria visível ao público.

A gerente explicou que os números em questão não foram sorteados no dia 7, que seria o dia correto do sorteio e complementou dizendo que, no dia 8 de janeiro, os números incorretos foram postados no site ao lado dos números vencedores da loteria e, ao notar o erro, a sequência foi retirada do portal.

Apesar disso, em entrevista à NBC Washington, o advogado de John Cheeks afirmou que, apesar da justificativa de que o ocorrido se tratou de um erro, nenhuma prova foi apresentada pela empresa. E ele complementou.

"Mesmo que um erro tenha sido cometido, a questão é: o que se faz a respeito disso?"

Ele disse, ainda, que há um precedente para a situação. Em novembro do ano passado, a loteria de Iowa postou os números errados e reportou um possível 'erro humano'. Entretanto, a loteria de Iowa afirmou que os 'vencedores temporários' que tiveram o problema poderiam manter os prêmios, que iam de US$ 4 a US$ 200.

A Powerball é jogada em 45 Estados, além de Washington, Porto Rico e nas Ilhas Virgens. O preço de um bilhete da Powerball é de US$ 2 na maioria dos Estados e os jogadores podem, assim como na Mega Sena, escolher seus próprios números ou deixar um computador fazer a seleção.

As chances de acertar são de uma em 292 milhões.
 

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

PROTESTOS

Jogadoras protestam contra retorno de treinador acusado de assédio ao Santos

Kleiton Lima havia deixado o cargo em setembro de 2023, após ser acusado de assédio sexual e moral por 19 jogadoras; Santos recontratou profissional nesta terça

REGIÃO NORTE

Embarcação com vários corpos em decomposição é encontrado no Pará

A Polícia Federal já esta ciente do caso e as investigações já foram iniciadas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter