Prefeito vê aeródromo como forma de recuperar economia de Guarujá após quarentena

Adriana Lopes assume novo cargo quatro dias após a Infraero ter assumido a gestão e operação do Aeródromo Civil Metropolitano de Guarujá

Comentar
Compartilhar
02 JUN 2020Por LG Rodrigues14h30
Adriana e Suman realizaram primeira vistoria na pista do aeródromo de Guarujá e avaliação preliminar foi positivaFoto: Nair Bueno / Diário do Litoral

Contando com experiência na gestão de um dos maiores aeroportos do Brasil, a mais nova superintendente do Aeródromo Civil Metropolitano de Guarujá fez sua primeira visita à Base Aérea durante esta terça-feira (2). Acompanhada do prefeito Valter Suman, os dois foram enfáticos em dizer que assim que o local iniciar suas operações, ele deverá servir como uma das principais ferramentas do município e da Região para retomar a economia caiçara nos meses de pós-quarentena.

Adriana Lopes trabalhou anteriormente como gestora no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Ela se torna liderança do campo de aviação caiçara quatro dias após a Infraero ter assumido a gestão e operação do Aeródromo Civil Metropolitano de Guarujá.

A apresentação da parceria foi realizada durante o último sábado (30), durante uma reunião que contou com a presença do superintendente da empresa no Aeroporto de Congonhas, João Márcio Jordão, e do prefeito da cidade, Valter Suman. O chefe do Executivo do município também esteve presente durante a visita de Adriana.

“Essa é uma pista de pouso um pouco maior do que a que temos em Santos Dumont, ela tem 200 metros a mais e no Rio de Janeiro nós operávamos com Boeings. Só precisaremos fazer algumas adequações e por isso estamos com a nossa equipe aqui para realizar um levantamento e podermos e vermos as questões de balizamento, iluminação, limpeza e sinalização. Num geral, entretanto, o estado da pista é bom”, afirma Adriana.

Ela explica que todas estas alterações devem ser feitas em até seis meses, como está previsto no contrato assinado junto à Prefeitura de Guarujá. Ao mesmo tempo, o aeroporto já está sendo cadastrado junto aos órgãos reguladores.

“Nesta primeira fase realizaremos estes dois pontos, adequação e cadastramento, ao mesmo tempo em que fazemos um pedido de licenciamento ambiental que deve ser adquirido neste meio tempo e já começaremos a adequação da pista de forma paralela”, explica.

Apesar de ainda precisar de uma certificação, ela afirma que o espaço é adequado para receber pousos e decolagens de aviões como Boeing e Airbus A320, que podem levar até mesmo mais de 200 passageiros por viagem.

 

“Nossa pretensão é de em até 30 dias ter em mãos um cronograma que será enviado à Prefeitura. A expertise trazida pela Infraero é fundamental. Ela foi criada como um braço da União para fomentar a infraestrutura aeroportuária, que é o que estamos fazendo”, conclui Adriana.

Já o prefeito Valter Suman afirma que o aeródromo deverá ser peça fundamental para reabilitar o município durante os próximos meses que servirão de reabilitação para a economia guarujaense.

“O aeroporto deverá movimentar até 100 mil passageiros já em seu primeiro ano de atividade. A gente sabe o potencial turístico da nossa região em conjunto com a questão portuária de Santos e o Polo Industrial de Cubatão”, afirma Valter Suman.

O chefe do Executivo guarujaense afirma que a Infraero deu uma expectativa de que o aeroporto deverá começar a funcionar ainda durante 2020.

“Até novembro ou dezembro, estaremos com todas as tratativas já feitas. Com licenciamento ambiental e a homologação da pista, a expectativa é de haver uma agilidade maior do que no projeto que foi feito anteriormente que por conta até do estado da economia mundial sofreu. Mas acreditamos no potencial de retomada do País como um todo e não podemos perder tempo, estamos agindo agora”.

“Em termos de arrecadação e retorno eu não tenho todos os detalhes, mas todos os números indicam um aumento significativo porque vamos atender uma demanda turística e industrial muito alto e que apresentaremos com os próximos meses. O foco maior é o potencial do turismo e não apenas de Guarujá, mas de toda a Baixada Santista, uma vez que aeronaves de médio e grande porte poderão chegar. O aeródromo é a cereja do bolo do desenvolvimento econômico para todas as nove cidades. Em nenhum momento de nosso mandato desistimos de tirar nosso projeto do papel e com a Infraero ganhamos um braço forte, uma vez que é a terceira maior empresa de operação em aviação civil no planeta e que nos dá uma segurança maior. Não tenho dúvidas que essa pista estará sendo utilizada ainda este ano”, finaliza Suman.