Técnico da Costa Rica se diz “alegre” por estar no grupo da morte

A Seleção chegou a Santos às 3h da madrugada desta terça-feira e às 9h o time já estava na Vila Belmiro para fazer o primeiro treinamento

Comentar
Compartilhar
10 JUN 201413h09

Ter que disputar duas vagas com Inglaterra, Itália e Uruguai seria um pesadelo para qualquer seleção. No entanto, enfrentar os três campeões mundiais logo na primeira fase da Copa do Mundo é encarado como uma motivação especial pela Copa Rica. É o que garante o técnico Jorge Luis Pinto.

“Ao contrário do que todos pensam, senti alegria e motivação pelo grupo. Me motivou extraordinariamente a condição de enfrentar três campeões do mundo. Vamos jogar sem temor, sem medo. Podemos ganhar”, disse o treinador, antes de revelar que tem estudado seus adversários, inclusive com ‘espiões’. “Estamos há cinco meses os seguindo em todos os campos, vendo jogadores, treinamentos, com pessoas de minha confiança. No Uruguai, na Inglaterra... em todos os lugares.  Temos uma boa bagagem de conhecimento, que podemos analisar com todos os detalhes”.

A Costa Rica chegou a Santos, cidade onde ficará hospedada durante toda a primeira fase, às 3h da madrugada desta terça-feira e às 9h o time já estava na Vila Belmiro para fazer o primeiro treinamento de olho na estreia contra os uruguaios, neste sábado, às 16h, no Castelão, em Fortaleza.

“Hoje à tarde vamos descansar, dormimos muito mal, mas precisávamos fazer esse reconhecimento. Felizmente eles responderam bem”, disse o técnico, confirmando em seguida que alguns jogadores não estão 100% e fazem tratamento intensivo para ficarem à disposição. “Tem gripe, febre, temos algumas carências que podem ser determinantes, de lesões. Essas variantes não vão me trazer problemas porque tenho substitutos”.

Principal esperança de gols da Costa Rica, o jovem atacante Joel Campbell, de apenas 21 anos, chega com grande responsabilidade e, por isso, o técnico Jorge Luis admitiu que já conversou com o jogador.

“É um jogador que jogou Mundiais, Copa América, mas é um jogador jovem, que precisamos cuidar da parte emocional dentro do grupo, internamente”, comentou o comandante, ao ser questionado sobre o jogador do Olympiacos, da Grécia, mas que pertence ao Arsenal, da Inglaterra.