X

PELÉ

Sósia de Pelé recorda experiências e quer seguir homenageando o Rei

Nicanor Ribeiro e Atleta do Século tiveram "parceria" de duas décadas

Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional

Publicado em 02/01/2023 às 20:16

Atualizado em 02/01/2023 às 20:22

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Sósia do Pelé / Lincoln Chaves/Agência Brasil

O radialista Nicanor Ribeiro talvez não tenha a desenvoltura de Edson Arantes do Nascimento com a bola nos pés, mas outra característica o aproxima (muito) de Pelé: a aparência. A notável semelhança entre ambos, que já o levou a ser confundido com o Rei do Futebol, tornou-o o mais famoso sósia do Atleta do Século.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

O “Pelé de terno” - como o próprio Nicanor se apresenta, em alusão à expressão “Pelé Eterno” - compareceu nesta segunda-feira (2) ao velório do ídolo, realizado no Estádio Urbano Caldeira, a Vila Belmiro, em Santos (SP). O sósia do Rei (que, apesar da brincadeira, estava com uma camisa listrada do Santos) agradeceu pela “parceria” de 20 anos com o maior jogador de futebol da história.

“Viajamos juntos, passamos por sete capitais, sempre muito receptivo comigo. Nos encontramos para gravar publicidades, em quase todas as Copas gravamos juntos, infelizmente nesta [a do Catar] não foi possível. Ele partiu deixando muita saudade, um legado fantástico, [a mensagem de] que precisamos cuidar das nossas crianças”, disse Nicanor à Agência Brasil.

Nicanor conheceu Pelé em 1996, durante um evento nos Estados Unidos, no qual fãs norte-americanos e japoneses se aproximaram para tirar foto, pensando que o radialista era o Rei do Futebol. Incentivado pelo Atleta do Século a correr, ele pretende, nas provas de rua que das quais participa, continuar homenageando o ídolo.

“Tenho hoje uma infraestrutura que me preparou para ser corredor. Então, levarei o nome dele em todos os lugares”, concluiu o radialista de 68 anos.

O velório

O corpo de Pelé foi transportado do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, à Vila Belmiro durante a madrugada. O caixão está no centro do gramado do estádio. O velório é aberto. O acesso do público ocorre pelos portões 2 e 3 (Rua Dom Pedro), enquanto o de autoridades se dá pelos portões 10 e 15 (Rua Princesa Isabel).

Foram erguidas duas tendas no gramado. Uma delas, na qual está o caixão de Pelé, é destinada a familiares, ídolos históricos do Santos e convidados. A outra é voltada a demais autoridades. O público em geral anda por um tablado, que fica à esquerda da primeira tenda.

Após o velório, que termina às 10h (horário de Brasília) de terça-feira (3), será realizado um cortejo pelas ruas de Santos, que passará pela Avenida Coronel Joaquim Montenegro (Canal 6), onde vive a mãe de Pelé, Celeste Arantes, que completou 100 anos em 20 de novembro. De lá, o corpo será levado à Memorial Necrópole Ecumênica, para sepultamento às 12h, em cerimônia restrita a familiares.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Loja de Porto Alegre confirma morte de animais por afogamento

Estabelecimento não soube informar a quantidade exata de bichos

Santos

Começam as obras de melhorias na Praça Manoel de Almeida, em Santos

Espaço será transformado em um local de lazer e atividade física para todas as idades

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter