Sem Valdivia, Barcos arma, Henrique vira artilheiro e Verdão vence

Na próxima rodada, o Palmeiras visita o Mogi Mirim, às 19h30 (de Brasília) de domingo.

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201321h33

Pela segunda vez em seis jogos no ano, o Palmeiras não pôde contar com Valdivia, desta vez com lesão na coxa esquerda. Mas o time mostrou nesta quinta-feira que sabe se virar sem o chileno. Com Barcos recuando e muitas vezes virando armador, a equipe contou mais uma vez com gol de Henrique, artilheiro do Verdão, e fez festa vencendo o Atlético Sorocaba por 2 a 0 no Pacaembu.

Mais do que provar força independentemente do frequente desfalque de seu camisa 10, a vitória injeta ânimo no contestado elenco, que ainda deve ser reforçado, e melhora a situação do clube no Campeonato Paulista. O Palmeiras termina a sexta rodada em quinto lugar, com os mesmos 11 pontos de Corinthians e Botafogo, mas superior nos gols marcados e no saldo, respectivamente.

Ascensão que se deve principalmente ao primeiro tempo realizado pelos comandados de Gilson Kleina. Com pleno domínio do adversário, o Verdão abriu o placar logo aos cincos minutos, com Márcio Araújo completando jogada iniciada com Barcos, e fez o segundo aos 30 com Henrique, que igualou Barcos na artilharia do time no ano com três gols. O desempenho foi tão bom que alguns torcedores até xingaram no segundo tempo o desperdício de gols, mas o time venceu sem sustos.

A equipe tenta, enfim, alcançar duas vitórias consecutivas visitando o Mogi Mirim, às 19h30 (de Brasília) de domingo. Já o Atlético Sorocaba, 14º colocado do Estadual e a um ponto da zona de rebaixamento, volta a campo também no domingo, às 17 horas, diante do Penapolense, em Penápolis.

A equipe contou mais uma vez com gol de Henrique (Foto: Leo Martins/Frame)

O jogo

Em relação à escalação que iniciou o empate com o XV de Piracicaba no domingo, Gilson Kleina trocou o atacante Vinicius pelo volante João Denoni, além de sacar o lesionado Valdivia para a entrada de Patrick Vieira, mas não abriu mão de atacar com dois nomes pelas pontas.

Como diante de Oeste e Penapolense, quando Valdivia estava no banco, Patrick Vieira abriu pela esquerda, com Maikon Leite do outro lado. A diferença era Barcos. O centroavante, que reclamou no fim de semana que a bola não chegava, muitas vezes recuou para ajudar o ainda inconstante Wesley na armação. E deu certo.

Com as subidas de Ayrton e Juninho, e a diferença de João Denoni mais fixo na cabeça de área para ajudar Márcio Araújo na proteção a Henrique e Mauricio Ramos, o Verdão aproveitou-se da tentativa do Atlético Sorocaba em avançar seus alas e meio-campistas. Logo, percebeu que dava certo atacar pelas pontas, como pedia Kleina.

Já aos cinco minutos, Barcos confundiu a defesa adversária saindo da área, abrindo espaço e logo lançado Juninho. O lateral teve liberdade para chegar à linha de fundo pela esquerda e cruzar na área. Maikon Leite furou, mas Márcio Araújo apareceu sem nenhuma marcação para colocar a bola nas redes.

O time estava tão envolvente que alguns torcedores da arquibancada chegaram a gritas “Vamos Valdivia”, esquecendo da lesão do meia, que viu tudo de um dos camarotes no Pacaembu. Sem ele em campo, Maikon Leite, que falhou na maioria dos domínios de lançamentos de Barcos, chegou a acertar uma bola na trave.

A insegurança, porém, apareceu por alguns minutos no Verdão, em uma sequência de lances perigosos iniciada aos 14 minutos, quando Fernando Prass evitou um gol contra de Ayrton. Uma cabeça de Cesinha e uma falta cobrada por Carlinhos completaram o raro momento em que o Atlético Sorocaba assustou. Mas foi pouco.

Ainda confuso com a disposição de Barcos em sair da área, Estevam Soares corrigiu a marcação de seu setor defensivo mandando seus laterais recuarem. Dessa forma, fechou espaço chegando a ter todos seus jogadores em seu campo. Diante dessa situação, Wesley recebeu vaias ao tocar para Fernando Prass por não ter opção no ataque.

Mas não havia muitos motivos para reclamar. A defesa sorocabana abriria em algum momento, e isso ocorreu de forma decisiva aos 30 minutos. Maikon Leite ficou com o rebote de um escanteio que ele mesmo cobrou e aproveitou-se do fato de Henrique continuar na área. Livre, o zagueiro completou cruzamento nas redes.

A partir daí, até o intervalo, o Atlético só assustou com Jorge Preá, atacante que foi campeão paulista pelo Palmeiras há cinco anos. Agora na equipe sorocabana, o jogador aproveitou espaço na grande área e não balançou as redes somente porque Fernando Prass, mais uma vez, apareceu bem.

Na volta do intervalo, Estevam Soares quis preencher o meio-campo para apostar na velocidade, mas o Palmeiras, enfim, se mostrou confiante para não levar mais sustos. A torcida pouco reclamou de lances em que o Atlético Sorocaba atacou, já que a marcação com João Denoni ao lado de Márcio Araújo deu certo.

Os xingamentos de exigentes torcedores, principalmente nas numeradas, estava para o ataque. Quando Barcos voltou a se posicionar como centroavante e obrigou Marcelo Moretto a fazer grande defesa, aos 12 minutos, palmeirenses o aplaudiram. Já Maikon Leite, que perdeu dois gols claros, um deles praticamente sem goleiro, foi bastante contestado. Mas os três pontos já tinham dono desde a saída de bola.