Observado por Gobbi, Mano diz que não falará mais sobre arbitragem

O técnico disse que sentiu recentemente os jogadores nervosos em alguns momentos por causa de “muitos lances de interpretação diferente”

Comentar
Compartilhar
30 AGO 201402h07

Mano Menezes concedeu sua entrevista na noite de sexta-feira, no CT do Parque Ecológico, observado por quatro dirigentes do Corinthians. O presidente Mário Gobbi, o diretor Ronaldo Ximenes, o gerente Edu e o coordenador Alessandro ouviram o técnico dizer que agora é deles a responsabilidade de fazer eventuais comentários sobre arbitragem.

“Prestígio no futebol é um perigo, né? Mas é muito bom recebê-los na nossa sala de conferências”, sorriu o treinador, antes de ser repetidamente questionado sobre o trabalho dos juízes nos últimos jogos do Corinthians. Terminada a derrota para o Bragantino, na última quarta-feira, ele havia apontado “algo diferente” desde a repercussão do caso Petros, acusado de agredir o árbitro Raphael Claus.

“Eu também disse que não falaria mais de arbitragem. Isso, a partir de agora, vai ser trado pela direção do clube da forma que ela achar mais conveniente. Fica chato tratar sempre do mesmo assunto, fica parecendo desculpa pós-resultado. Em função disso, não vou mais falar sobre isso. Algumas coisas foram colocadas com a opinião do momento, algumas até com o calor do jogo. O Corinthians vai saber conduzir bem”, comentou.

Mano Menezes afirmou que não falará mais sobre arbitragem (Foto: Agência Corinhtians)

O técnico disse que sentiu recentemente os jogadores nervosos em alguns momentos por causa de “muitos lances de interpretação diferente”, porém evitou passar adiante a responsabilidade pelos maus resultados. Negando que suas reclamações deixem os atletas pilhados – para ele, outros treinadores se queixam muito mais do juiz –, o gaúcho mostrou preocupação em acalmar o grupo.

“Já estávamos com dificuldade de marcar gols antes de todos esses fatos. A gente separa bem quando não está tomado dessa adrenalina do jogo, da emoção de estar participando dele. O mais importante é reconhecer aquilo que se fez de errado para corrigir e ter autoridade para cobrar quando os outros erram”, disse Mano, recuando de suas declarações de quarta também ao ser questionado se sente perseguido: “Não”.