Nobre se diz seguro em não deixar Torre "passar Palmeiras para trás"

O mandatário do Palmeiras convocou entrevista para classificar como lamentável a declaração do presidente da construtora WTorre

Comentar
Compartilhar
22 OUT 201321h32

Ter sido apontado como mentiroso por Walter Torre (por conta das divergências quanto aos assentos da futura arena) provocou Paulo Nobre. O mandatário do Palmeiras convocou entrevista para classificar como lamentável a declaração do presidente da construtora WTorre e dizer aos torcedores estar tranquilo quanto a um desfecho positivo para os interesses do clube.

"Essa presidência não admite, em hipótese alguma, ser ferida a soberania do Palmeiras. Essa presidência quer deixar muito claro que absolutamente ninguém vai passar o Palmeiras para trás. Vamos defender até a última instância todos os interesses da nossa sociedade", disse o dirigente, na tarde desta terça-feira.

A última instância, no caso, seria a Câmara de Comércio Brasil-Canadá, comissão de arbitragem designada em comum acordo para resolver eventuais impasses do contrato. Se tomada pelo tribunal arbitral, a decisão não permite recurso. Mas Nobre espera não ter que apelar a isso para poder comercializar 35 mil dos 45 mil lugares do estádio.

"O Palmeiras está muito seguro com relação à interpretação do contrato. Criamos, no início da gestão, uma diretoria de relacionamento com a Arena. Ela vem trabalhando incessantemente, levantando todos os documentos, tudo o que foi discutido em 2007 e 2008, e o Palmeiras não tem dúvida nenhuma em relação à interpretação desse contrato", falou, sem revelar termos.

Presidente palmeirense convocou entrevista para defender interesses do clube no impasse da arena (Foto: Divulgação)

Não é dessa forma que interpreta a construtora. Em entrevista publicada pelo jornal Lance!, nesta terça-feira, Torre voltou a dizer que sua empresa está assegurada a comercializar as cadeiras em sua totalidade. Para isso, o empresário, além de avaliar como mentirosos os posicionamentos do clube nessa questão, usou expressão que desagradou a diretoria palmeirense: "A Arena inteira é nossa, não tem discussão".

"Queria deixar claro ao torcedor palmeirense que, independentemente do negócio, a nova arena é a casa palmeirense. Que nenhum terceiro venha se julgar dono da casa do palmeirense. Queria deixar isso muito claro para a nossa torcida", respondeu Nobre, antes mesmo de conversar individualmente com o representante da parceira.

O impasse deve se prolongar por tempo indeterminado. O Palmeiras não quer desgastar a parceria que terá duração de 30 anos a partir da inauguração da arena. Também quer evitar que a construção se atrase ainda mais. A última posição oficial da WTorre é de que as obras estarão prontas entre o final do primeiro trimestre e o início do segundo trimestre de 2014.