Navas se espelha e é treinado por outro grande goleiro da Costa Rica

No Mundial do Brasil, o goleiro tem sido decisivo na campanha histórica da Costa Rica, que chegou pela primeira vez às quartas de final

Comentar
Compartilhar
01 JUL 201420h55

Keilor Navas chegou para a Copa do Mundo como um dos melhores de sua posição na Liga Espanhola, após uma temporada espetacular pelo Levante. No Mundial do Brasil, o goleiro tem sido decisivo na campanha histórica da Costa Rica, que chegou pela primeira vez às quartas de final após superar Itália, Uruguai, Inglaterra na primeira fase e Grécia na oitavas.

Além do talento de Navas, o mérito também tem a parcela de Luis Gabelo Conejo Jiménez, o preparador de goleiros da seleção costarriquenha.

“Falo muito com ele. Desde que chegou, contou sua experiência, o que sentiu ao estar em um Mundial. Sempre me aconselhou, me disse coisas, mas o mais importante dos conselhos é a concentração nas partidas para tomar boas decisões. O importante é que não se pode ‘desfocar’ meio segundo porque você pode pagar caro. É o que trato de cumprir para que as coisas saiam bem”, contou Keilor Navas, ao falar sobre seu convívio com Conejo.

Luis Conejo foi goleiro da Costa Rica na Copa do Mundo de 1990, na Itália, quando a seleção da América Central alcançou às oitavas de final, melhor resultado da equipe até este grupo chegar a fase seguinte no Mundial do Brasil.

Keilor Navas chegou para a Copa do Mundo como um dos melhores de sua posição na Liga Espanhola (Foto: Divulgação/FIFA)

Na ocasião, Conejo teve uma participação memorável e lembrada até hoje por quem viveu aquele momento. Na Itália, a Costa Rica bateu a Escócia por 1 a 0, perdeu para o Brasil também pelo placar mínimo e avançou com uma vitória por 2 a 1 diante da Suécia.

Conejo se destacou com suas defesas até na derrota para a seleção brasileira, porém uma lesão no terceiro jogo o tirou das oitavas de final, quando a Costa Rica acabou eliminada pela Tchecoslováquia ao ser derrotada por 4 a 1.

“Além de ser bom treinador de goleiros, foi goleiro, mundialista, e me dá conselhos para melhorar”, revelou o camisa 1, de 27 anos de idade.

No final da década de 90, a revista France Football elegeu Conejo um dos 100 melhores jogadores da história das Copas do Mundo. E a IFFHS (Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol) colocou Conejo como o 34º melhor goleiro do mundo no período entre 1987/2008.