Laor é condenado a pagar R$ 20 mil a pai de Neymar

O ex-presidente do Santos proferiu ofensas ao pai do atacante do Barcelona em entrevista à Espn Brasil, em abril do ano passado

Comentar
Compartilhar
02 MAR 201518h11

As duras ofensas proferidas por Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro ao pai de Neymar em entrevista à Espn Brasil, em abril do ano passado, renderam ao ex-presidente uma condenação por danos morais por ofensa à dignidade e imagem do também empresário do ex-camisa 11 do Santos. Além disso, a 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou decisão da 3ª Vara Cível do Foro Regional de Pinheiros e ordenou que Laor pague R$ 20 mil, valor fixado, ao seu desafeto declarado.

Em sua defesa, Luis Álavro alegou que o conteúdo de suas críticas era “meramente profissional”, sem intenção de “macular a honra do autor (Neymar pai)” e entendia que sua manifestação estava resguardada pela liberdade de expressão.

Porém, apoiada pelos juízes Egidio Jorge Giacoia e Dácio Tadeu Viviani Nicolau, a desembargadora Marcia Regina Dalla Déa Barone analisou o teor das críticas como “ofensivo”.

“Nenhum cidadão deve ter sua reputação profissional publicamente questionada, sem consistente fundamentação. Não se nega que quem pratica atividade de empresário de um dos maiores atletas futebolístico da atualidade expõe muito mais seus atributos e deve tolerar manifestação de opiniões contrárias e diversas daquelas esperadas, mas é certo que não se pode permitir a imputação de qualificativos desabonadores, que extrapolam a mera crítica profissional, descambando para o terreno do ataque pessoal”, diz parte do texto sobre a sentença.

Luis Álvaro terá que pagar R$ 20 mil ao pai de Neymar (Foto: Divulgação/Santos FC)

Indignado com as revelações de que, ao negociar Neymar com o Barcelona, o pai do jogador recebeu cerca de 40 milhões de euros e de que o clube espanhol ainda pagou 10 milhões de euros para o atleta uma semana antes da disputa entre as duas equipes na grande decisão do Mundial de Clubes de 2011, Luis Álvaro não mediu as palavras ao comentar o caso pela imprensa à época.

“Achava que o pai do Neymar era meu amigo. Mas hoje não quero ver na frente do meu carro, pois senão ao invés de brecar eu acelero. Não estendo a mão para ele. E, se estender, é para dar uma porrada. É um mentiroso, aproveitador, só pensava em dinheiro. É mau-caráter, mentiroso, duas caras”, chegou a dizer o ex-presidente santista, que também afirmou à época que o pai do jogador chegou a financiar até uma orgia em um famoso hotel de Londres, capital da Inglaterra.

À Receita Federal, a N & N Consultoria Esportiva Empresarial Ltda, empresa do pai de Neymar, admite ter recebido R$ 113,9 milhões só pela transferência do atacante. Enquanto isso, o Santos recebeu ‘apenas’ 17 milhões de euros (cerca de R$ 51 milhões) e ainda teve de repassar 40% de seu montante ao grupo DIS.