Com Falcão, Brasil bate Argentina em jogo histórico no Mané Garrincha

A grande dificuldade encontrada pelos dois times foi o calor forte de Brasília. O jogo foi realizado a céu aberto e em condições que os jogadores não estão acostumados

Comentar
Compartilhar
07 SET 201413h11

Derrotado no último clássico disputado entre as equipes (3 a 2 na final da Copa das Nações), o Brasil passou por diversas mudanças e saiu vitorioso no histórico Desafio Internacional disputado neste domingo. Sob os olhares de mais de 50 mil torcedores que foram ao Mané Garrincha ver a volta de Falcão e bateram o recorde de partida com maior público, os anfitriões venceram por 4 a 1.

A grande dificuldade encontrada pelos dois times foi o calor forte de Brasília. Jogando a céu aberto e em condições que não estão acostumados, os jogadores tiveram que realizar procedimentos diferentes para aguentar o jogo, como umedecer as chuteiras antes de entrar em quadra.

O Brasil abriu o placar logo nos primeiros minutos do jogo com Simi, que aproveitou rebote do goleiro para mandar para as redes. Aos nove, Sinoê recebeu no meio da quadra, avançou sem marcação e tocou com tranquilidade por cima do goleiro para ampliar. Para deixar o duelo ainda mais acirrado, a Argentina descontou no último minuto com Gonzales, que chutou forte no ângulo esquerdo do goleiro brasileiro.

Na volta do segundo tempo, os argentinos voltaram pressionando, mas pararam nas boas defesas de Guitta. Buscando aumentar a vantagem para deixar a situação mais tranquila, o Brasil ampliou aos sete minutos, com Daniel, que fez jogada individual e chutou rasteiro para fazer o terceiro de sua equipe. No fim, Valdin se aproveitou de um erro do goleira-linha argentino e chutou de trás do meio da quadra para selar a vitória verde e amarela.

Brasil e Argentina se enfrentam em desafio internacional de futsal  (Foto: Josemar Gonçalves/Futura Press)

Além de ser um clássico, o duelo deste domingo era esperado por uma série de fatores. O jogo no Mané Garrincha, previsto para bater recorde de público, foi programado pela Confederação Brasileira de Futsal, que passou por uma reformulação no início do ano. As mudanças na alta cúpula trouxeram grandes mudanças na equipe, como a volta de Falcão, que havia "se aposentado" por não concordar com as ideias da antiga gestão da entidade.