X
Educação

Educação SP realiza 1º Encontro Educação Escolar Indígena

Evento na Efape teve a participação de 90 representantes de entidades indígenas, MPF, Secretaria da Justiça e Cidadania e de universidades

Durante o encontro foram apresentadas as ações e discutidas as estratégias para formação inicial em licenciatura intercultural indígena e para formação continuada dos professores na Educação Escolar Indígena / Divulgação

Na última semana, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP), por meio da a Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação do Estado de São Paulo (Efape), promoveu o "1º Encontro Educação Escolar Indígena: as formações e suas especificidades". O evento faz parte do plano de desenvolvimento de instrumentos e elementos voltados à formação profissional dos educadores que atuam na Educação Escolar Indígena (EEI).

"A Educação de São Paulo é composta por 3,5 milhões de estudantes, são diversas realidades e nossa função é estudar e conversar sobre todas pra que cada indivíduo tenha um ensino que faça sentido em sua vida", avalia o Secretário Estadual da Educação Rossieli Soraes.
 
Durante o encontro foram apresentadas as ações e discutidas as estratégias que têm sido desenvolvidas pela Efape para formação inicial em licenciatura intercultural indígena e também para formação continuada dos professores na Educação Escolar Indígena.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

"Apresentamos protocolo de escuta para oferta da formação continuada, bem como discutimos modelos de oferta. Tão importante quanto a formação inicial é a formação continuada para estes professores", destaca Marcelo Jerônimo, Coordenador da Efape.
 
O evento reuniu 90 participantes entre professores indígenas das escolas estaduais Indígenas, representantes do Fórum de Articulação dos Professores Indígenas do Estado de São Paulo (Fapisp) e professores coordenadores do núcleo pedagógico que atuam como interlocutores da EEI nas Diretorias de Ensino Regionais, representantes da Associação Indígena (Comitê Inter Aldeias); da Funai, da Coordenação de Políticas para a População Negra e Indígena da Secretaria da Justiça e Cidadania, do Centro de Equidade Racial para o Desenvolvimento Econômico, do Ministério Público Federal (Procuradoria da República no Município de São Bernardo do Campo), do Conselho Estadual dos Povos Indígenas de São Paulo (Cepisp) e Unifesp.
 
A representante da Fapisp da aldeia Rio Silveira, Cristine Takuá, declara que saiu desta reunião "com uma expectativa muito positiva de ter licenciatura intercultural indígena no ano de 2022 em São Paulo e também em relação à formação continuada, que tem uma demanda muito grande principalmente nas escolas de ensino médio."

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Mais de 200 mil maços de cigarro são apreendidos pela PRF na Régis Bittencourt

Uma equipe de policiais solicitou a parada de um caminhão, porém o condutor do veículo não obedeceu de imediato, parando o caminhão cerca de 1 quilômetro adiante

Saúde

Saúde ampliou condições especiais em contrato de entrega de vacinas infantis

Um contrato é para o armazenamento de vacinas da Pfizer contra a Covid-19, e o outro, para o transporte, ambos numa temperatura de -90ºC a -60ºC. O valor dos serviços é de R$ 62,2 milhões

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software