Inflação anual recua em setembro na OCDE e no Brasil

Se esse movimento continuar, muitos bancos centrais poderão se tornar mais confortáveis em manter as políticas de estímulos por um período prolongado

Comentar
Compartilhar
06 NOV 201312h13

A taxa anual de inflação entre as principais economias do mundo caiu pelo segundo mês seguido em setembro. Se esse movimento continuar, muitos bancos centrais poderão se tornar mais confortáveis em manter as políticas de estímulos por um período prolongado.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) disse que a taxa anual de inflação para os 34 países da organização recuou para 1,5%, de 1,7% em agosto. No G-20, a inflação foi de 2,9%, ante 3,0% no mês anterior.

O Brasil, que não é membro da OCDE, também registrou uma queda no ritmo de alta dos preços, recuando de 6,1% para 5,9%, enquanto na Índia a inflação se manteve em 10,7% e na China acelerou de 2,6% para 3,1%.

A queda na inflação dos países membros da OCDE se deu devido a preços mais baixos de alimentos e energia, mostra o documento. Excluindo-se essas categorias, a inflação de setembro teria se mantido em 1,6%.

A taxa anual de inflação entre as principais economias do mundo caiu pelo segundo mês seguido em setembro (Foto: Divulgação)