Caminhoneiros fecham rodovias no País contra alta do diesel

Por volta das 8h da manhã, a Fernão Dias, em São Paulo, estava com 3 pontos de concentração e apenas ônibus e carros de passeio podiam seguir pela rodovia

Comentar
Compartilhar
23 FEV 201513h59

Caminhoneiros protestam, nesta segunda-feira, 23, em rodovias de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Goiás contra a alta do diesel, dos pedágios e pelo aumento no valor dos fretes.

São Paulo

Por volta das 8h da manhã, a Fernão Dias, em São Paulo, estava com 3 pontos de concentração e apenas ônibus e carros de passeio podiam seguir pela rodovia - os caminhões eram obrigados a parar e estacionar na faixa da direita.

A Polícia Rodoviária Federal informa que tenta negociar desde às 6h de domingo, 22, para desocupação da rodovia. Entretanto, a PRF diz não haver uma liderança clara do movimento, o que dificulta o processo. O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), Claudinei Pelegrini, não endossa a manifestação. Ele avalia ser "utopia de reduzir preço de óleo diesel e pedágio", e que a manifestação deveria ser feita "em casa", com os motoristas deixando de entregar as cargas, e não bloqueando as rodovias. "Além de prejudicar os outros usuários das rodovias, parar na pista é correr risco, ser depredado, ser apreendido", explica. "Nós entendemos que a reivindicação é valida, mas o caminho não é esse."

Minas Gerais

Em Minas Gerais, por volta das 8h, a manifestação dos caminhoneiros provocou 19 quilômetros de filas pela via no sentido de Belo Horizonte - do 680 ao 677, do 638 ao 636, do 622 ao 617 e do 522 ao 513. No sentido de São Paulo - e no de São Paulo, do 496 ao 513, do 616 ao 617 e do 676 ao 677. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, são quase 17 quilômetros de problemas.

Paraná

No Paraná, no início desta segunda, estavam interditados os seguintes trechos para caminhões: Pérola d'Oste km 64 da BR 163, passando somente automóveis; BR 369 Km 179, praça de pedágio de Arapongas; Medianeira km 667 da BR 277; Santo Antonio do Sudoeste km 32 BR 163. No domingo, 22, após negociação, a PRF desobstruiu a pista da BR 277, que estava bloqueada por caminhões em Guarapuava.

Motivo do protesto foi a alta do Diesel (Foto: Divulgação/Petrobras)

Rio Grande do Sul

A Polícia Rodoviária Federal no Rio Grande do Sul, informa bloqueio na BR 285, na altura do quilômetro 274, em Mato Castelhano, distante 20 quilômetros de passo fundo. A passagem está fechada para caminhoneiros, mas os carros de passeio são liberados. Há interdições também no quilômetro 458, em Ijuí. Às 5h15, na BR 386, eram registrados bloqueios no quilômetro 50,5, em Serebi. Às 6h30, havia manifestação também em Pelotas, nos postos de combustíveis da BR 392, perto do quilômetro 62. Na BR 472, no quilômetro 115, também havia interdições.

Mato Grosso do Sul

Em Dourados, Mato Grosso do Sul, no km 256,0 da BR 163, a rodovia foi interditada por caminhoneiros às 8h.

Goiás

Em Goiás, a BR 364, principal corredor de escoamento graneleiro de Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais, tem bloqueio no perímetro urbano de Jataí, próximo do quilômetro 198, segundo a PRF. Há um novo bloqueio na mesma rodovia, mas no quilômetro 300 também. A corporação informa que, no domingo, 22, durante todo o período da manhã e até às 17h, outras rodovias na região do sudoeste goiano também foram bloqueadas: em Mineiros, na BR 364, e em Caiapônia, na BR 158. "A manifestação foi pacífica e a desocupação voluntária. Entretanto, ocorreram algumas contendas e discussões entre os próprios caminhoneiros, pois alguns não queriam participar da manifestação, mas estavam impedidos de seguir viagem", informou a Polícia Rodoviária Federal em Goiás. A PRF acompanha e negocia com os manifestantes, "especialmente para garantir a passagem de veículos em casos de urgência" .