Diário Mais

Acidente com avião do Corinthians quase tirou a vida de Marcelinho e Edmundo

Susto ocorreu em 1º de maio de 1996, no Equador

Jeferson Marques

Publicado em 24/05/2024 às 11:55

Comentar:

Compartilhe:

Avião do Corinthians se envolveu em acidente em 1996 / Reprodução/DGAC do Equador

Em 1996 o Corinthians já vivia o sonho de ganhar uma Libertadores da América. No dia 1º de maio, às 16h, a equipe comandada por Eduardo Amorim venceu o Espoli, do Equador, por 3x1, e carimbou a sua classificação para as quartas de final do torneio. Porém, quase que a volta ao Brasil não aconteceria por conta de uma tragédia.

No estádio Olímpico Atahualpa, em Quito, no Equador, o Corinthians fez 3x1 nos donos da casa e garantiu a vaga na próxima fase da competição. Após as coletivas, toda a delegação seguiu para o hotel, jantou e, em seguida, partiu com destino ao aeroporto Mariscal Sucre, no Centro de Quito.

Um Boeing 727-2B6 da cia aérea brasileira Fly aguardava jogadores, comissão técnica, parte da diretoria do timão, alguns torcedores que ganharam uma promoção para acompanhar a equipe, além de jornalistas.

Durante o procedimento de decolagem chovia muito e o avião não conseguiu ganhar a velocidade necessária para sair do chão. Cledir Joaquim da Silva, o piloto, percebeu que sua aeronave não levantaria voo e abortou o processo, freando o Boeing. Porém, com mais de 15 toneladas à bordo, o equipamento precisaria de muito mais pista para parar, o que não existia.

O avião atravessou a pista, derrubou um muro e foi em direção a um barranco, onde haviam casas. Ele parou há poucos metros de despencar, suas asas atingiram algumas residências e uma delas pegou fogo. Justamente onde fica armazenado o combustível.

Houve pânico entre todos os passageiros e tripulação. O medo era de ocorrer uma explosão, o que ceifaria a vida de todos no mesmo segundo. Os bombeiros chegaram e, antes mesmo de inflarem uma escada, alguns jornalistas e jogadores conseguiram abrir as portas da aeronave e, literalmente, pularam.

Jogadores consagrados, como Ronaldo, Edmundo, Tupãzinho e Marcelinho Carioca faziam parte do time do Corinthians.

Alguns se machucaram e até se queimaram, mas todos saíram vivos.

O relatório completo sobre o que ocorreu com o avião não está disponível pelas autoridades equatorianas, o que impede de entender os motivos do avião não ter atingido a velocidade certa para decolar.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

De volta ao Santos? Danilo explica suas prioridades no futebol brasileiro

Jogador é capitão da Seleção Brasileira e defende as cores da Juventus (ITA)

Santos

Porto de Santos registra novos recordes na movimentação de cargas; entenda

Sistema de agendamento de caminhões e investimentos na infraestrutura para atendimento às safras agrícolas são fatores que garantem os ganhos

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter