X

Diário Mais

A múmia que grita: saiba mais sobre um dos maiores mistérios do mundo

Pesquisadores acreditam ter chegado na resposta sobre a bizarrice egípcia

Jeferson Marques

Publicado em 28/02/2024 às 11:59

Atualizado em 28/02/2024 às 13:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A múmia que grita parece ter tido seu mistério revelado / Foto de Wikimedia Commons

Siga as notícias do Diário do Litoral no "Google Notícias".

Um dos maiores mistérios do mundo está no Egito. Pesquisadores e cientistas especialistas no Antigo Egito sempre buscaram explicações para a múmia que grita. Trata-se do corpo de um homem que, ao contrário de outros cadáveres embalsamados da época, que tinham expressões faciais calmas e tranquilas, foi sepultado com a boca aberta, cabeça inclinada para trás e uma expressão de dor intensa (por isso acreditam que ela morreu em desespero, gritando). E, ao que tudo indica, os estudiosos parecem ter encontrado a resposta.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Crônicas e documentos antigos, além de provas genéticas de outros séculos ajudaram os pesquisadores a montar o quebra-cabeças sobre o sofrido cadáver. 

Primeiro, eles acreditam que a múmia seja o príncipe Pentawere, que foi obrigado a tirar a sua própria vida ainda no governo do faraó Ramsés III. O povo egípcio estava descontente com as ordens e forma de governar do grande faraó - havia fome e miséria - e teria se revoltado contra ele e os seus. Uma de suas esposas, então, arma um plano ousado para tentar colocar Pentawere, filho de Ramsés III, no poder, antes que o faraó fosse destronado: matar Ramsés III.

O plano é descoberto e a mulher é morta.

Pentawere é obrigado a tirar a própria vida como forma de punição ao planejar atentar contra o próprio pai. 

Ao descobrirem a múmia que grita os pesquisadores encontraram marcas iniciais de um enforcamento (o que não se confirma por não haverem lesões na laringe), além da marca de uma facada profunda em suas costas e, outra, em seu peito. 

Nenhum dos tradicionais rituais de mumificação, como a retirada dos órgãos, foi feito em Pentawere, e ele foi enterrado como um traidor, com seu corpo envolto em pele de cabra (considerado impuro pelos antigos egípcios). Um clássico ritual de desgraça por sua desonestidade em vida com o próprio pai.

Daí as expressões de grito e dor, que dão nome à múmia.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

REGIÃO NORTE

Embarcação com vários corpos em decomposição é encontrado no Pará

A Polícia Federal já esta ciente do caso e as investigações já foram iniciadas

Esportes

Preparo físico sem lado mental não garante sucesso esportivo, afirma especialista

Psicológico é um ponto-chave nos Jogos Olímpicos de Paris

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter