X

VIVENDO A HISTÓRIA

Novas descobertas no Egito incluem múmias, papiro e amuletos com 3.400 anos

Entre as novas descobertas, está um caixão de madeira colorido gravado com o nome da filha de um sumo sacerdote de Djehuti, além de um antigo deus egípcio também conhecido como Thoth

Folhapress

Publicado em 16/10/2023 às 18:12

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A área de Al-Ghuraifa em Minya, descoberta em 1925, é conhecida pelas suas descobertas arqueológicas / Reprodução - Redes Sociais

Arqueólogos descobriram um cemitério que remonta ao Novo Reino do antigo Egito na necrópole de Tuna El-Gebel, na província de Minya, no sul do país, revelando múmias, amuletos, ornamentos e um papiro com 15 metros representando o Livro Egípcio dos Mortos.

O cemitério, datado de 3.400 anos atrás, ainda inclui caixões com os nomes de duas mulheres inscritos, e foi descoberto na área de Al-Ghuraifa, que fica 220 quilômetros ao sul da capital do país, Cairo, segundo anunciou o Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito, no domingo.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

O local remonta à era do Novo Império, período em que o Egito se tornou uma potência global entre os séculos 16 e 11 a.C.. Esse período da história egípcia antiga abrange a Décima Oitava Dinastia, a Décima Nona Dinastia e a Vigésima Dinastia, de 1549 a.C. a 1069 aC..

O cemitério abriga os restos mortais de altos funcionários e sacerdotes do Estado, ostentando uma infinidade de tumbas escavadas na rocha, contendo um tesouro de antiguidades.

Entre as relíquias desenterradas estão amuletos, joias requintadas, sarcófagos de pedra e madeira e uma impressionante coleção de estatuetas shabti, habilmente trabalhadas em argila e madeira, segundo informa a revista Luxor Times.

Entre as novas descobertas, está um caixão de madeira colorido gravado com o nome da filha de um sumo sacerdote de Djehuti, além de um antigo deus egípcio também conhecido como Thoth.

Ele era o deus da lua, dos textos sagrados, da matemática, das ciências, da magia, mensageiro e registrador das divindades, e era frequentemente descrito como um pássaro íbis ou um babuíno.

PAPIRO PRESERVADO

Uma revelação extraordinária, segundo Mostafa Waziri, secretário-geral do SCA (Conselho Supremo de Antiguidades) foi a descoberta do primeiro papiro completo a emergir da região de Al-Ghurifa. Avaliações preliminares indicam que ele mede cerca de 15 metros de comprimento e está ligado ao Livro dos Mortos, um texto reverenciado na mitologia egípcia, notavelmente bem preservado.

A área de Al-Ghuraifa em Minya, descoberta em 1925, é conhecida pelas suas descobertas arqueológicas, incluindo 35 tumbas, 90 caixões e 10.000 estátuas, segundo informou o jornal britânico Daily Mail.

"Há sete anos procurávamos o cemitério do Novo Reino e finalmente o encontramos, nesta sétima fase de escavações, iniciada em agosto", disse Mostafa Waziri, secretário-geral do SCA.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

'Encontro das Cidades ODS' contará com reflexão e ação pela Agenda 2030

Evento acontece em junho, no Centro Histórico de Santos

Cotidiano

Sindicato decide adiar greve do Metrô de SP e linhas funcionam normalmente

Segundo eles, parte das reivindicações da categoria foram atendidas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter