X

Cultura

Novo livro conta como as crianças indígenas vivenciam a pandemia de Covid-19

Publicação “Coronavírus é um bichinho que deixa doente” reúne depoimentos de 38 crianças e adolescentes da Terra Indígena Piaçaguera (Peruíbe-SP) sobre o momento que vivem.

Da Reportagem

Publicado em 11/08/2021 às 15:22

Atualizado em 11/08/2021 às 15:36

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Livro reúne depoimentos de 38 crianças e adolescentes da terra indígena localizada em Peruíbe / Divulgação

O que as crianças indígenas têm a nos dizer sobre a pandemia da Covid-19? Com o avanço e prolongamento da pandemia no Brasil, a Comissão Pró-índio de São Paulo, junto com professores e lideranças indígenas, procurou ouvir as crianças da Terra Indígena Piaçaguera sobre esse período, e reuniu os relatos em sua nova publicação: “Coronavírus é um bichinho que deixa doente”.

O livro reúne depoimentos de 38 crianças e adolescentes, com idades entre 4 e 15 anos, da terra indígena localizada no município de Peruíbe, litoral sul do Estado de São Paulo. Para garantir a prevenção ao vírus, os depoimentos foram todos coletados virtualmente, com a colaboração de professoras(es) e lideranças, ao longo de dois meses.

“Nós professores, que ficamos com eles uma boa parte do tempo, que conhecemos cada um deles, até a gente ficou surpreso com as respostas. Foi muito gratificante esse trabalho”, revela Lilian Gomes, da Aldeia Piaçaguera, uma das colaboradoras do livro.

Em breves relatos, as crianças compartilham suas percepções, temores e desejos para quando a pandemia acabar, e contam como estão se prevenindo. Às vezes a resposta está na ponta da língua: “A gente se cuida, usa o álcool em gel. Quando chega, a gente tem que tomar banho, não pode sair sem máscara e também evita aglomerações”. Em outras situações, sai mais atrapalhada: “Como você está se prevenindo, David? ‘Lavando o pé... Não, a mão. Lavando a mão.’”

“O livro é importante para as pessoas saberem o que as crianças entendem sobre a pandemia, o que eles estão pensando... O que as deixa preocupadas? A saudade da família, a saudade dos amigos, a saudade da escola”, cita Lilian Gomes.

Já para a professora Lenira Djatsy, da Aldeia Nhamandu Mirim, o livro é também um importante registro histórico: “a gente fica como uma revisão do que vivemos, de um momento tão crítico e único... porque isso é história. E também tem a importância de as crianças reverem seus próprios depoimentos, e o povo (não indígena) ver como o povo indígena passou por esse momento de pandemia”, diz.

O livro “Coronavírus é um bichinho que deixa doente” está disponível para download gratuito no site da Pró-Índio.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

Nacional

Não perca as contas: você sabe quantas vezes o cantor Fábio Jr. se casou?

A lista é bem extensa e pode confundir os fãs

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter