Vila Sônia, em Praia Grande, deverá ganhar 1.980 novas moradias populares

O projeto do empreendimento HM Brisa do Mar foi apresentado ontem e tem foco na população de baixa renda

Comentar
Compartilhar
03 SET 2019Por Caroline Souza07h30
Terreno em que serão construídas as moradias é popularmente conhecido como CalipalFoto: Nair Bueno/DL

Praia Grande pode ter 1.980 novas moradias populares em breve. O projeto, que não tem relação com a Prefeitura, foi apresentado ontem pela HM Engenharia. As unidades habitacionais estão inseridas na faixa 2 do programa Minha Casa Minha Vida, sendo destinadas às famílias que têm renda bruta de até R$ 4.000,00.

A ideia é construir o empreendimento na área popularmente conhecida como Calipal, localizada entre os bairros Vila Sônia, Vila Antártica e Vila São Jorge, no cruzamento da Av. dos Trabalhadores com a Rua Sérgio Gregório.

"O litoral de São Paulo ainda é carente de projetos para o primeiro imóvel. A HM chega para suprir essa demanda da população com moradias de qualidade. Temos uma experiência de mais de 40 anos no segmento de moradia popular", explica a diretora executiva da HM Engenharia, Sylvia Bianco.

O investimento da empresa será de R$ 297 milhões e as unidades serão vendidas a partir de R$ 150 mil. Os imóveis terão metragens de 40 m² a 42 m².

A Prefeitura de Praia Grande reiterou que não tem relação com o projeto. No entanto, as unidades serão destinadas às famílias que comprovarem residência na Praia Grande, atendidas e selecionadas no cadastramento oficial da demanda municipal. De acordo com a Prefeitura, esse cadastro contempla 13 mil interessados em adquirir moradias populares.

Além disso, a Lei Complementar 675/2014, prevê concessões de alguns benefícios para incentivar novas construções do Minha Casa Minha Vida.

A apresentação do HM Brisa do Mar aconteceu no fim da tarde de ontem, no Pavilhão Jair Rodrigues (Rua Savério Fittipaldi, s/nº, Quietude). A data de início das obras ainda não foi divulgada.

Déficit habitacional

Em matéria publicada no último dia 25 de agosto, a Reportagem levantou que o déficit habitacional da Baixada Santista ultrapassa 85 mil moradias. Guarujá, São Vicente e Santos são os municípios com o maior déficit: 33 mil, 20 mil e 10 mil unidades, respectivamente. Em Praia Grande, a defasagem é em torno de 6 mil moradias.

De acordo com a Prefeitura, estão em construção os conjuntos Sítio do campo 1-A (8 unidades), Sítio do campo 1(4 unidades), Sítio do Campo 1-C (25 unidades), Sítio do Campo II (9 unidades), no Bairro Sítio do campo; Antártica I (8 unidades), Bairro Antártica; Vitória I (152 unidades), na Vila Sônia; Jardim Imperador III (90 unidades), Jardim Imperador IV (90 unidades), Jardim Imperador V (128 unidades), Jardim Imperador VI (128 unidades), no Melvi.

 

Colunas

Contraponto