Transferência de Fórum de Cubatão gera protestos

Fórum da Justiça do Trabalho será transferido do centro da Cidade para o Jardim Casqueiro

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 201310h36

A transferência do Fórum trabalhista do centro de Cubatão para o Jardim Casqueiro tem gerado polêmica. Um grupo de munícipes e advogados se reuniu, na tarde de ontem, na Avenida Nove de Abril, para protestar. Mais de 1.200 assinaturas compõem um abaixo-assinado contra a mudança de local.

Liderado pelo vereador Severino Tarcício da Silva (PSB), o Dóda, que também é advogado, o protesto reivindicava a permanência do Fórum no local. Segundo o parlamentar, que falou em nome do grupo, a mudança para o Jardim Casqueiro vai dificultar o acesso da população à unidade e, também, o trabalho dos advogados.

De acordo com Dóda, está definido que o Fórum será realocado em estabelecimento próximo à Rodovia Anchieta, no Jardim Casqueiro. “É um lugar perigoso, com muito tráfego de veículos de carga, de difícil acesso à população, vai dificultar muito para quem precisar se deslocar até lá”, disse.

O vereador alega que a parcela da população que mora em bairros mais afastados de Cubatão, como as Cotas, teria que pegar quatro conduções com a mudança do órgão de lugar: uma até o centro da Cidade e outro coletivo até o Casqueiro; duas de ida e duas de volta. “Com o Fórum aqui no centro é muito mais fácil, só um ônibus pra vir e outro pra voltar”, explica.

Munícipes e advogados se reuniram para protestar na avenida Nove de Abril (Foto: Matheus Tagé/DL)

Ainda de acordo com o parlamentar, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) justifica a transferência da sede por problemas estruturais no atual prédio que o Fórum ocupa. No entanto, Dóda afirma que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Cubatão, que também é contrária à mudança, encomendou dois laudos técnicos que atestam que a estrutura não apresenta danos.

Em reivindicação, Dóda elaborou moção de repúdio e apresentou em sessão na Câmara Municipal. O documento foi aprovado e assinado pelos 11 vereadores que compõem a mesa.

O Diário do Litoral buscou um posicionamento do TRT sobre a transferência, mas não conseguiu contato com representante do órgão.