Terreno vai a leilão no Macuco, em Santos

Local, frequentado por moradores de rua, se tornou ponto para uso de drogas e depósito de lixo

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201511h15

Os vizinhos de um terreno abandonado no bairro do Macuco, em Santos, podem ter uma solução para o local em breve. O espaço, localizado na Avenida Siqueira Campos, 239, está em leilão judicial.

O terreno está avaliado em R$ 1.707.055,03. A abertura da 1ª praça para adquirir o terreno ocorreu no dia 22 de janeiro, mas não houve comprador. Agora, o processo está na 2ª praça, com lance mínimo fixado em R$ 1.024.233,02. Ainda sem nenhum lance, o período para a compra termina na próxima quarta-feira (11).

No local, existia um pequeno chalé, que foi comprado pela Criar Construção Civil. A empresa iria erguer um prédio no espaço e chegou até a montar um plantão de vendas, mas o imóvel nunca saiu da planta.

A penhora do terreno ocorreu por dois processos de pessoas físicas movidos contra a Criar. Além disso, há duas dívidas com a Prefeitura de Santos. A primeira é uma Dívida Ativa no valor de R$ 7.610,78, e a segunda é o IPTU para o exercício atual no valor de R$ 14.559,50.

- Área abandonada na Avenida Siqueira Campos é utilizada por moradores de rua (Foto: Matheus Tagé/DL)

Dor de cabeça

Como publicado no dia 21 de novembro do ano passado no Diário do Litoral, o terreno se tornou um problema para moradores do bairro que são vizinhos ao local.

Sandra Alonso, síndica de um condomínio vizinho, reclamou que o local ficou sem obras e está afundando, com isso o solo pode infiltrar os terrenos ao lado e comprometer as estruturas de prédios.

Outros moradores também relataram que moradores utilizam o espaço para se alimentar, utilizar drogas e praticar sexo. Eles derrubaram tapumes que impediam o acesso ao terreno e, por diversas vezes, praticam furtos pela região, chegando a invadir imóveis próximos.

A terceira preocupação dos vizinhos é em relação à saúde. O lixo jogado no terreno e a falta de limpeza no local atraiu a presença de ratos, além de pragas como carrapatos.

Colunas

Contraponto