Sul do Japão tem alerta de tsunami após tremor de 6,8 na escala Richter

Uma onda de dez centímetros foi monitorada na costa de Miyako, no Iwate, depois de a agência meteorológica japonesa ter emitido alerta de tsunami com onda de até 1 metro de altura

Comentar
Compartilhar
20 ABR 201512h20

A Agência de Meteorologia do Japão emitiu hoje (20) alerta de tsunami após tremor de magnitude 6,8 em Okinawa, no extremo-Sul do país, informou a televisão pública NHK.

Segundo a emissora, o aviso, emitido na sequência do terremoto registrado na pequena ilha de Yonaguni, que faz parte do arquipélago de Okinawa, foi dirigido a várias ilhas, lembrando a possibilidade da ocorrência de ondas de até 1 metro.

O Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico informou, em comunicado, que, com base nos dados disponíveis, “o tremor não representa ameaça de tsunami”.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos, que monitora a atividade sísmica no mundo, mudou a magnitude do abalo de 6,8 para 6,6, a 71 quilômetros a leste de Hualian, em Taiwan, onde foi sentido em menor escala.

Em meados de fevereiro, na sequência de um tremor de 6,8 na escala Richter, o Japão registou pequeno tsunami, sem registo de vítimas ou danos materiais.

Uma onda de dez centímetros foi monitorada na costa de Miyako, no Iwate, depois de a agência meteorológica japonesa ter emitido alerta de tsunami com onda de até 1 metro de altura.

O Japão fica localizado no chamado Anel de Fogo, uma das áreas sísmicas mais ativas do mundo, onde ocorrem terremotos com relativa frequência. Anualmente, por se encontrar na junção de quatro placas tectónicas, é atingido por um quinto dos sismos mais violentos registrados no planeta.

Em 11 de março de 2011, um tremor de magnitude 9 na escala Richter, seguido de tsunami, deixou mais de 18 mil mortos e desaparecidos e danificou a Central de Fukushima, sendo o pior desastre nuclear desde Chernobyl (Ucrânia), em 1986.