São Paulo teve 729 casos de leptospirose no ano passado

A doença é causada por bactérias e é transmitida pelo contato das pessoas com a urina de roedores infectados, tais como ratos e ratazanas

Comentar
Compartilhar
19 FEV 201517h03

A leptospirose é causada por bactérias e é transmitida pelo contato das pessoas com a urina de roedores infectados, tais como ratos e ratazanas. Normalmente o contágio acontece por meio da água e da lama das enchentes, mas pode ocorrer pelo contato com esgotos, fossas, lagos e represas. Por isso é importante tomar muito cuidado com o período de enchentes, comuns nos meses de verão.

Os sintomas da doença são febre aguda, dores de cabeça e no corpo – especialmente na panturrilha –, olhos amarelados e urina escura. A doença pode demorar até 30 dias para se manifestar, após o contato.

“A maioria dos casos de leptospirose é branda, mas entre 8% e 10% dos casos acabam evoluindo para um quadro grave, que exige internação em UTI, com alto risco de mortalidade caso não se estabeleça um diagnóstico rápido”, disse o médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Jean Gorinchteyn.

Segundo ele, para evitar a leptospirose é preciso que as pessoas tomem alguns cuidados básicos como evitar as poças d'água e enxurradas nas calçadas e nas ruas; não atravessar enxurradas e não se expor à água suja caso comece uma inundação; não permitir que as crianças brinquem em poças e canaletas de escoamento da água e nem com a água de enchente; utilizar luvas de borracha para fazer uma higienização completa, com água sanitária, de tudo o que teve contato com a água suja e descartar alimentos e medicações que estão em ambientes de inundação, mesmo que a embalagem não tenha sido violada.

Contato com lama e água de enchentes deve ser evitado sob risco de transmissão da leptospirose (Foto: Diário do Litoral)