Reportagem do DL sobre abandono de crianças no Centro repercute na Câmara

Com o jornal na mão, Fabiano da Farmácia cobrou providências do prefeito com relação ao abandono das crianças da região

Comentar
Compartilhar
10 MAI 2017Por Carlos Ratton08h00
Fabiano da Farmácia vai unir forças com outros vereadores para mudar realidade da Zona NoroesteFabiano da Farmácia vai unir forças com outros vereadores para mudar realidade da Zona NoroesteFoto: Divulgação

A reportagem intitulada “Abandono condena crianças na região da Zona Noroeste”, veiculada no último domingo, ecoou no dia seguinte, na Câmara de Santos. Na última segunda-feira, usando a tribuna da Casa, o vereador Fabiano Batista Reis, o Fabiano da Farmácia (PR), nascido e criado no bairro da Areia Branca, desabafou em plenário: “muitos ignoram e nunca vão conhecer a triste realidade dos meninos e meninas que vivem na Zona Noroeste, como bem retratou a reportagem do Diário. Um verdadeiro filme sobre vulnerabilidade social. Precisamos de ações a curtíssimo prazo. Até quando a Zona Noroeste permanecerá esquecida, prefeito (Paulo Alexandre Barbosa)”, disse.

Fabiano, que preside a Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente da Casa, ratificou ontem que irá cobrar projetos e equipamentos públicos na região.

“Eu nunca vi uma situação tão crítica como a atual. Os governos perderam um pouco a mão. É inconcebível o número de palafitas existente em Santos. Minha filha morou numa. É preciso uma ação social mais efetiva na ZN. É incrível mas as pessoas se acostumaram em morar daquela forma. É preciso mudar isso”, desabafou.

Audiência

O parlamentar está marcando uma audiência pública para discutir a questão do abandono das crianças pelo poder público e vai participar, hoje, às 18h30, de outra, marcada pelo vereador Geonísio Aguiar, o Boquinha (PSDB), no auditório Zeny Goulart da Câmara, localizada à Praça Tenente Mauro Batista Miranda, nº 01- Vila Nova.

O encontro é também reflexo de duas reportagens especiais do Diário do Litoral – “Estupro e morte rondam mulheres e crianças de Santos”, publicada em 19 de março, e “Meninas são exploradas sexualmente em Santos”, publicada em 30 de abril passado, mostrando o drama de morar na área central do Município.

“Estamos juntando forças para enfrentar essas situações. Quero iniciativas operacionais para a ZN. Não podemos esperar obras serem concluídas para que os projetos iniciem. É possível melhorar a iluminação, criar iniciativas culturais e esportivas na região. As crianças estão ociosas. Vamos implantar ruas de lazer. Sou da base do Governo, mas sou da Zona Noroeste e vou fazer valer o meu bom dia e meu boa noite, que começa e termina lá”, finaliza.     

Conforme denunciado no último domingo pelo coordenador do Conselho Tutelar da Zona Noroeste, Gian Karlo Xavier, a precária infraestrutura urbana e a falta de equipamentos públicos básicos estão proporcionando o aliciamento de dezenas meninos ao crime e expondo meninas ao assédio e à exploração sexual na região, que faz divisa com São Vicente.

Sem educação e saúde de qualidade; cultura, esportes e lazer mínimos e um ambiente socialmente saudável, as crianças, moradoras da Vila dos Criadores, Telma, Pantanal, Capadócia, Alemoa e outros tão carentes como passam o dia se agarrando no que podem por uma vida melhor, nem que seja como “avião” de um traficante ou na boleia do caminhão de um motorista a procura de algumas horas de sexo extraconjugal.

“As autoridades que têm poder de decisão, a caneta nas mãos, e a sociedade que vive na Zona Leste da Cidade ignorando a situação podem esperar: essa conta vai chegar, mais cedo o mais tarde, por intermédio de uma batida do cano de um revólver no vidro do carro durante um passeio, de dia ou à noite, nos equipamentos públicos sociais próximos à orla da praia, na saída de um teatro ou cinema, nas imediações de um curso ou faculdade e outros locais que muitas dessas crianças não têm e sequer terão a oportunidade de conhecer”, afirmou Xavier.