Reativação da Escola Acácio de Paula Leite Sampaio, em Santos, é descartada

Vereadora Audrey Kleys e Kenny Mendes vão tentar obter orçamento do Estado para reativar o imóvel até 2020

Comentar
Compartilhar
16 ABR 2019Por Da Reportagem07h00
Escola Acácio de Paula Leite Sampaio, na Vila Nova, está abandonada há anos pelo poder públicoFoto: Nair Bueno/DL

Ao que tudo indica, o estado de abandono da Escola Estadual Acácio de Paula Leite Sampaio - localizada na Rua Sete de Setembro, 11, na Vila Nova, em Santos - que virou denúncia no Ministério Público Estadual (MPE) e tema de debate, na Câmara de Santos, deve permanecer por um bom tempo.

Segundo a vereadora Audrey Kleys (Progressistas), responsável pela audiência sobre a questão, o representante do Centro Paula Souza informou que está prevista a ampliação de vagas para escolas técnicas da região, mas que não será na Acácio por falta de recursos.

"Não aceitamos a resposta e insistiremos na reativação do prédio. Uma das propostas sugeridas foi a instalação de uma escola técnica de artes no local.

O deputado estadual Kenny Mendes (Progressistas), que também é membro da Comissão de Ciência e Tecnologia na Assembleia, vai levar a proposta ao governo do Estado e solicitar orçamento para 2020", informou Audrey, por sua assessoria.

Segundo a vereadora, existe a proposta de levar cursos técnicos para escolas em bairros mais distantes como o Jardim São Manoel.

A Acácio é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos. Ela foi repassada da Prefeitura ao Estado em 2013. Havia a expectativa da instalação de uma escola técnica desde 2017.

Leia também:
Escola Acácio de Paula Leite Sampaio vira debate e denúncia no MP
Memórias de uma escola pública fechada em Santos


"Desde o início do mandato cobro a reativação desta escola tão importante para a educação da nossa região", completa a parlamentar, que promete continuar lutando por uma destinação melhor ao imóvel.

Audrey lembra de um investimento de R$ 8 milhões para as obras de restauração e adequação do prédio e a licitação deveria acontecer no primeiro semestre do ano passado, com prazo de entrega para 2020. "Infelizmente, as cobranças não foram atendidas", finaliza.

MP

Vale lembrar que uma denúncia foi feita pelo munícipe Osman Saraiva de Andrade Filho, que pede a instauração de inquérito civil para investigar a situação. Para Osman de Andrade, é público e notório em o estado de abandono na qual se encontra o imóvel, importante unidade de ensino e de relevância histórica, inaugurada em 1967.

"Quem passa pelo local pode constatar o estado deprimente da antiga escola, com vidraças quebradas, mato alto, fezes e muito lixo na sua entrada principal, uma verdadeira cena de tristeza, principalmente para professores e alunos que por ali passaram", afirma o munícipe, que é ex-aluno.

Segundo o munícipe, a deterioração progressiva está causando prejuízo patrimonial e ao erário, sendo necessária uma utilidade específica para a unidade.

Colunas

Contraponto