Professores de Guarujá querem 8% de reajuste

200 educadores se manifestaram ontem e prometem mais após dia 24. A proposta da Prefeitura é aplicar para os professores o que foi decidido na assembleia do funcionalismo público

Comentar
Compartilhar
12 JUN 201409h50

Sob a canção “pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré, com faixas, apitos, nariz de palhaço e faixas nas mãos, cerca de 200 professores fizeram ontem, em frente ao Paço Raphael Vitiello, em Guarujá, onde fica a Secretaria de Educação, um manifesto contra o pequeno aumento concedido à categoria, pela Prefeitura.

Conforme apurado ontem pela reportagem, os índices oferecidos foram 0,5% ao professor de Educação Básica I; 1,0% ao de Educação Básica II e 2,5% ao de Educação Básica III. A reivindicação da categoria é de 8%, sendo 6% de reposição da inflação (IPCA) e 2% por cento de ganho real.

A proposta da Prefeitura é aplicar para os professores o que foi decidido na assembleia do funcionalismo público. Atualmente, a rede pública de Guarujá possui 1.800 educadores. “O manifesto é fora do horário de trabalho e é pacífico. Porém, demostra nossa indignação em relação a esse reajuste imoral e vergonhoso que foi oferecido aos professores”, disse a presidente do Sindicato dos Professores de Guarujá e região, Joanice Gonçalves – entidade independente do restante do funcionalismo. 

A dirigente revelou que a categoria não aceita reajuste abaixo da inflação e está em estado de greve. Uma nova assembleia vai ocorrer no próximo dia 24, em que será deliberado o próximo passo da manifestação, que poderá ser uma gigante, realizada no Simpósio da Educação, que ocorrerá após a Copa do Mundo, no Campus Guarujá da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp), pertencente à família da secretária de Educação, Priscila Bonini.

Professores fazem manifestação em Guarujá por reajuste de 8% (Foto: Luiz Torres/DL)

Prefeitura

Por intermédio da Assessoria de Imprensa, a Prefeitura esclarece que não pode, juridicamente, apresentar nova proposta ao Sindicato dos Professores, pois o Sindicato dos Servidores Públicos de Guarujá (Sindiserv) já aprovou proposta apresentada pela Administração Municipal, inclusive com as correções das distorções salariais nas demais categorias.

A Prefeitura informou que o reajuste proposto aos servidores do funcionalismo municipal representa a reestruturação de uma política salarial, criada pelo atual governo. Desta forma é preciso entender, segundo informa, que diversos cargos receberam aumentos reais de salário, que variaram entre 0,5% até 46%.

A Prefeitura lembra que, este ano, os professores tiveram o direito à titulação acadêmica, junto com o reajuste salarial. Os PEB I tiveram sua hora/aula igualada aos PEB III por lei específica, através da sua qualificação, para efeito da referida titulação acadêmica. Acrescenta ainda como conquistas de grande avanço à categoria a Promoção Horizontal da Carreira do Magistério, o Adicional de Crescimento Profissional por Mérito e o Adicional de Dedicação Exclusiva.

egoria entra em estado de greve (Foto: Luiz Torres/DL)