Presidente Dilma comenta morte do escritor Galeano

aleano morreu em decorrência de um câncer no mediastino (região da cavidade torácica) que entrou em metástase

Comentar
Compartilhar
13 ABR 201515h08

A presidente Dilma Rousseff lamentou nesta segunda-feira, 13, em nota encaminhada pela Presidência da República, a morte do escritor uruguaio Eduardo Galeano, que faleceu aos 74 anos em Montevidéu.

"Hoje é um dia triste para todos nós, latino-americanos. Morreu Eduardo Galeano, um dos mais importantes escritores do nosso continente. É uma grande perda para todos que lutamos por uma América Latina mais inclusiva, justa e solidária com os nossos povos", disse Dilma.

"Aos uruguaios, aos amigos e à nossa imensa família latino-americana, quero prestar minhas homenagens e lembrar que continuamos caminhando com os olhos no horizonte, na nossa utopia."

Galeano morreu em decorrência de um câncer no mediastino (região da cavidade torácica) que entrou em metástase. É autor de obras referenciais como "As Veias Abertas da América Latina" e "Memória do Fogo".

(Foto: Arquivo Pessoal)