População de Peruíbe está sem ônibus hoje

Prefeitura garante que nova empresa assumirá o serviço ainda nesta quarta-feira

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201510h59

A população de Peruíbe está sem transporte coletivo desde às 18 horas de ontem, informou a assessoria de imprensa da Cidade. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sindrod), a empresa Estrela Maior, prestadora do serviço, não vê possibilidade de continuar no Município.

A transportadora assumiu a atividade em julho de 2014, quando a Prefeitura rescindiu contrato com a Intersul, que teria desobedecido a cláusulas contratuais referentes à idade da frota, número de ônibus e itinerários. O contrato, em caráter emergencial, tinha duração prevista de 180 dias ou até nova licitação. Esse contrato foi prorrogado e vence nesta semana.

Como a empresa não apresentou proposta de rescisão do contrato de trabalho aos 70 empregados, entre motoristas, cobradores, pessoal de manutenção e administrativo, a categoria fará greve hoje, a partir das 4h30.

Reportagem do DL constatou problemas no transporte da Cidade no início do ano (Foto: Luiz Torres/DL)

O secretário-geral do Sindrod, Eronaldo José de Oliveira, o ‘Ferrugem’, pondera que “alguém tem de pagar as verbas rescisórias”. Ele espera que a Prefeitura retenha verbas destinadas ao pagamento da empresa pelo serviço prestado e destine-as, primeiramente, às dívidas trabalhistas.

O sindicato estima que a Estrela Maior opere na cidade com 20 ônibus, transportando 20 mil passageiros por mês. A tarifa é de R$ 1,70 e a população reclama das condições precárias do serviço.

A Reportagem do DL constatou o mau serviço e ouviu queixas dos moradores no início deste ano: há ônibus sem assentos, com vidros quebrados, portas danificadas e que, muitas vezes, demoram mais de uma hora para passar em determinados pontos.

Nova licitação

Segundo a Prefeitura, os envelopes das empresas que se candidataram para assumir o transporte da Cidade serão abertos no próximo dia 5. Até lá, um novo contrato emergencial — de aproximadamente 40 dias — será firmado. “Ainda estamos vendo com o Jurídico esta possibilidade. Até às 12 horas de amanhã (hoje), teremos uma resposta e, a partir das 15 horas, uma nova empresa prestará o serviço na Cidade”, informa a assessoria, que garante que a população não será prejudicada, já que o transporte alternativo continua funcionando normalmente.