Obra parada aumenta a violência no Emissário Submarino, afirmam moradores

População do entorno do Emissário relata aumento da criminalidade

Comentar
Compartilhar
06 OUT 2020Por Carlos Ratton07h00
População do entorno garante que a insegurança tomou contaFoto: Nair Bueno/DL

Enquanto a Prefeitura de Santos mantém a resposta que está recorrendo da decisão no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJE-SP) e a Valoriza Energia não inicia a reconstrução dos equipamentos danificados no Parque do Emissário Submarino, no José Menino, a população do entorno sofre as consequências pela falta do espaço e pelo aumento da criminalidade em seu entorno.

Ontem, a Reportagem ouviu o lamento dos moradores da região, mesmo depois do juiz Leonardo Grecco, da 1ª Vara da Fazenda Pública, ter acolhido o pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP), por intermédio do promotor Adriano Andrade de Souza, e determinado o início das obras de reconstrução dentro de, no máximo, 30 dias, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

João Carlos Gomes Nascimento, morador do Condomínio Enseada das Orquídeas, revela que as obras paradas atingiram diretamente a segurança do bairro. "O que já era ruim, ficou ainda pior. Virou ponto de pequenos furtos, assaltos e vandalismos. Viramos alvo. O José Menino foi esquecido pela Administração. Só aparecem em época de campanha", dispara.

João Laureano dos Reis, do edifício Mirante da Barra, diz que após o fechamento do emissário para obras, "aumentou muito a insegurança. Não temos policiamento", disse acompanhado de outro morador, que também se mostra insatisfeito com a situação.

Quiosque:

O advogado e presidente da Associação Moradores Amigos Pé na Areia (Amapena), Gabriel Miceli, diz que a luta por mais segurança já ocorre há mais de um ano.

"Mas, após o fechamento do parque com tapumes, a segurança piorou drasticamente. A câmera de um dos edifícios registrou troca de tiros na ciclovia. Estamos reféns da criminalidade por conta dessa obra parada. Queremos o parque de pé o mais rápido possível, porque quanto mais tempo ficar parado, maior será a insegurança", afirma.

Edenilson Roque do Santos já teve seu quiosque destruído oito vezes. "Estouraram os vidros, furtaram quatro televisores, quebraram a pia e estragaram a estrutura do quiosque que é isolado e bem atrás dos tapumes. A Câmera da Prefeitura só registrou o dia que eu trabalhei na pandemia para sustentar minha família e me multou. A destruição, não", desabafa. (Carlos Ratton)