X
Cotidiano

Obra parada aumenta a violência no Emissário Submarino, afirmam moradores

População do entorno do Emissário relata aumento da criminalidade

População do entorno garante que a insegurança tomou conta / Nair Bueno/DL

Enquanto a Prefeitura de Santos mantém a resposta que está recorrendo da decisão no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJE-SP) e a Valoriza Energia não inicia a reconstrução dos equipamentos danificados no Parque do Emissário Submarino, no José Menino, a população do entorno sofre as consequências pela falta do espaço e pelo aumento da criminalidade em seu entorno.

Ontem, a Reportagem ouviu o lamento dos moradores da região, mesmo depois do juiz Leonardo Grecco, da 1ª Vara da Fazenda Pública, ter acolhido o pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP), por intermédio do promotor Adriano Andrade de Souza, e determinado o início das obras de reconstrução dentro de, no máximo, 30 dias, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

João Carlos Gomes Nascimento, morador do Condomínio Enseada das Orquídeas, revela que as obras paradas atingiram diretamente a segurança do bairro. "O que já era ruim, ficou ainda pior. Virou ponto de pequenos furtos, assaltos e vandalismos. Viramos alvo. O José Menino foi esquecido pela Administração. Só aparecem em época de campanha", dispara.

João Laureano dos Reis, do edifício Mirante da Barra, diz que após o fechamento do emissário para obras, "aumentou muito a insegurança. Não temos policiamento", disse acompanhado de outro morador, que também se mostra insatisfeito com a situação.

O advogado e presidente da Associação Moradores Amigos Pé na Areia (Amapena), Gabriel Miceli, diz que a luta por mais segurança já ocorre há mais de um ano.

"Mas, após o fechamento do parque com tapumes, a segurança piorou drasticamente. A câmera de um dos edifícios registrou troca de tiros na ciclovia. Estamos reféns da criminalidade por conta dessa obra parada. Queremos o parque de pé o mais rápido possível, porque quanto mais tempo ficar parado, maior será a insegurança", afirma.

Edenilson Roque do Santos já teve seu quiosque destruído oito vezes. "Estouraram os vidros, furtaram quatro televisores, quebraram a pia e estragaram a estrutura do quiosque que é isolado e bem atrás dos tapumes. A Câmera da Prefeitura só registrou o dia que eu trabalhei na pandemia para sustentar minha família e me multou. A destruição, não", desabafa. (Carlos Ratton).  

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Professor usa plataforma pornô para dar aulas de matemática

O taiwanês trabalhava há tempos no mercado de cursinhos, um ramo milionário em uma região marcada pela competitividade no ambiente educacional

Brasil

Bolsonaro participa da formatura de cadetes do Exército na Aman

Os 391 cadetes são do 4º ano da Turma Dona Rosa da Fonseca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software