Banner gripe

Muro de cemitério de Cubatão vai ao chão

Prefeitura disse que muro foi derrubado por carreta; local passa por intervenções

Comentar
Compartilhar
11 FEV 201514h16

A movimentação de veículos pesados e contêineres no entorno do Cemitério Municipal de Cubatão pode estar ocasionando problemas estruturais no local. Na última segunda-feira, parte do muro cedeu e provocou rachaduras em alguns jazigos. O espaço também apresenta infiltrações e acúmulo de água nas vias de acesso.

“A água está passando por debaixo das campas. Isso é um desrespeito com os mortos. As pessoas vão visitar seus entes queridos e não têm por onde passar. A gente espera que a Prefeitura dê uma solução para esses problemas”, disse o vereador Severino Tarcício da Silva, o Dóda (PSB). Ele pretende questionar a situação do local no Ministério Público.

Atendendo ao pedido de algumas famílias, Dóda esteve no Cemitério Municipal na última segunda-feira pela manhã. Ele verificou que o muro estava inclinado e, quando retornou no período da tarde, a estrutura já estava no chão.

Queda pode ter ocasionado danos em jazigos (Foto: Matheus Tagé/DL)

Em nota, a Prefeitura informou que o muro do cemitério foi atingido por uma carreta. Segundo a Administração Municipal, o local foi verificado por engenheiros que decidiram realizar uma intervenção maior no espaço, visando à solução de problemas de infiltração de água por sob o muro.

Ainda de acordo com a Prefeitura, a Secretaria de Manutenção Urbana, está realizando a interligação de tubulações com a rede pluvial. O serviço tem o apoio do proprietário do terreno vizinho, que cedeu máquinas para a execução do trabalho. A previsão é de que sejam necessários pelo menos 20 dias úteis, sem chuva, para o término dos serviços que, segundo a Administração, ‘se trata de uma intervenção de maior porte’. O muro será refeito após a conclusão desses reparos.

Em relação à movimentação de veículos pesados e contêineres, a Prefeitura ressaltou que aquela região se trata de uma área industrial com diversas empresas atuantes no setor, no entanto entende que para o estacionamento de caminhões nas ruas prevalece a sinalização de trânsito e a fiscalização equivalente. 

Colunas

Contraponto