Marco Aurélio Gomes quer mais investimentos do Estado na área da saúde

Prefeito itanhaense pediu reforço na estrutura da saúde no Litoral Sul, para desafogar o atendimento nas demais cidades vizinhas

Comentar
Compartilhar
28 FEV 201321h00

O prefeito de Itanhaém, Marco Aurélio Gomes, participou na quarta-feira (27), na Capital, de uma reunião entre os prefeitos da Região Metropolitana da Baixada Santista e o secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri. O encontro foi intermediado pelo secretário-adjunto do Estado de Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita, e serviu para apontar as prioridades do setor, inclusive na área do Litoral Sul.

Durante a reunião, os prefeitos tiveram a oportunidade de apresentar um diagnóstico da saúde em seus municípios, apontar reivindicações e apresentar propostas em comum, como o fortalecimento da estrutura do Litoral Sul, meta defendida pelo prefeito de Itanhaém.

“A Baixada Santista cresce em sua economia, mas também nos problemas sociais e a saúde é a preocupação maior. Em nossa opinião, é preciso reforçar a estrutura do Litoral Sul porque é uma forma de desafogar Praia Grande e Santos, além de permitir que as prefeituras economizem com o transporte fora de domicílio dos pacientes”, assinalou Marco Aurélio.

O fechamento das maternidades de Peruíbe e Mongaguá foi apontado como a razão dos problemas registrados nos últimos dias. “Este é apenas um exemplo dos gargalos que se formam na saúde do Litoral Sul. Por isso, cada vez mais se faz necessária uma ação conjunta do Estado”, acrescentou o chefe do Executivo itanhaense.

Marco Aurélio propôs ainda que as cidades do Litoral Sul fortaleçam suas unidades básicas de saúde. “Tendo um bom atendimento nos bairros, vai desafogar o pronto-socorro que, neste caso, vai voltar a servir ao seu fiel propósito, que são as emergências”.

Na visão dos prefeitos, o Litoral Sul precisa ter reforçada a sua estrutura da saúde pública (Foto: DIvulgação)

Ele apresentou asinda outras reivindicações para as cidades do Litoral Sul, como um maior repasse de recursos para a aquisição de medicamentos durante a temporada de verão e a abertura do Hospital Regional para as emergências do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), além de uma maior flexibilidade na central de vagas, com prioridade para as cidades mais próximas do hospital, no caso, Peruíbe, Mongaguá e Itanhaém.

As declarações de Marco Aurélio foram elogiadas pelo prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão e reforçada pelos prefeitos de Peruíbe, Ana Preto, e de Mongaguá, Artur Parada Prócida. Segundo Mourão, o Litoral Sul já comporta uma unidade já comporta uma unidade do Ambulatório Médico de Especialidades (AME), que existe em sua cidade desde 2009 e cujos usuários são, em grande parte, do Litoral Sul. “A nossa proposta é que seja implantado um AME também na divisa de Itanhaém com Mongaguá. Com isso, teremos uma estrutura adequada para o crescimento populacional que se espera nessa região”, acrescentou o prefeito de Praia Grande.

Por sua vez, o secretário estadual de Saúde fez um balanço das ações desenvolvidas pelo Governo na região. No caso de Itanhaém, enfatizou o processo de ampliação do Hospital Regional, que já teve a licitação concluída e cujas obras devem começar ainda neste semestre. “A reunião foi importante para saber as demandas dos municípios e buscar ações regionais. Medidas tomadas dois anos atrás estão em andamento, como ampliação de hospitais”.

No final do encontro foi anunciada uma nova reunião, em março, entre o diretor do Instituto Emílio Ribas, David Uip, e o diretor regional de Saúde, Marcos Botteon Neto, com os secretários municipais de saúde, para identificar as prioridades regionais e avançar com investimentos na Região Metropolitana da Baixada Santista.

Além dos prefeitos citados, compareceram o vice-prefeito de Itanhaém, José Roberto do Nascimento; a prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito; e o prefeito de São Vicente, Luiz Cláudio Bili. Os municípios de Santos, Bertioga e Cubatão enviaram os secretários municipais de saúde.