Irã deve retomar negociações sobre programa nuclear neste mês

O principal negociador do programa nuclear do Irã afirmou que o país concordou em retomar as negociações sobre o tema neste mês.

Comentar
Compartilhar
04 JAN 201323h21

O principal negociador do programa nuclear do Irã, Saeed Jalili, afirmou nesta sexta-feira que, a princípio, o país concordou em retomar as negociações internacionais sobre o tema neste mês. Jalili disse em Nova Délhi que o governo iraniano deve se encontrar com a Alemanha e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) ainda em janeiro. Um porta-voz da União Europeia (UE) confirmou que em breve ocorrerá uma reunião com o Irã sobre a questão.

No entanto, a data e o local não foram confirmados, disse o negociador iraniano. "Acreditamos na não-proliferação nuclear. Nós acreditamos no desarmamento", Jalili disse. "Inspetores nucleares não encontraram provas de qualquer desvio em nosso programa."

O Irã está sofrendo uma série de sanções impostas pelos países ocidentais, que acusam Teerã de desenvolver armas nucleares. O país insiste que o programa tem apenas fins pacíficos. Em junho, a última rodada de negociações realizada em Moscou terminou em um impasse.

Um porta-voz da União Europeia confirmou as negociações para o novo encontro. "Eles estão negociando os detalhes para a próxima reunião", disse o representante, sob anonimato.

Críticas em Israel - Nesta sexta-feira, o ex-chefe do Shin Bet, polícia interna de Israel, fez fortes críticas à maneira como o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, lidou e lida com a questão nuclear iraniana. O funcionário que fez as críticas, Yuval Diskin, comandou o Shin Bet entre 2005 e 2011. Diskin acusou Netanyahu de agir ilegalmente, ao ordenar ao aparato de segurança de Israel que preparasse um ataque contra o Irã antes de obter a aprovação do gabinete de ministros em 2010. Segundo ele, o ataque não se materializou devido à oposição dos chefes do exército e do serviço secreto Mossad, que na época eram o general Gabi Ashkenazi e Meir Dagan.

"Eu tenho uma sensação muito forte de que na questão iraniana Netanyahu sempre foi assombrado por Menachem Begin, que atacou o reator no Iraque, e por Ehud Olmert, que, como foi dito várias vezes, bombardeou um reator na Síria", disse Diskin. Segundo ele, Netanyahu queria entrar para a história de Israel "como alguém que fez algo da mesma proporção". Begin, político conservador que era primeiro-ministro de Israel em 1981, ordenou o bombardeio da usina nuclear de Osirak, que o falecido ditador Saddam Hussein construía com auxílio franco-italiano. Já Olmert bombardeou um reator nuclear no leste da Síria em 2007, uma ação não admitida pelo governo de Israel.

A entrevista de Diskin foi publicada hoje no diário Yediot Ahronot pouco antes das eleições gerais em Israel, que no dia 22 elegerá novo parlamento. Netanyahu, atual premiê, é o candidato favorito nas pesquisas de intenção de voto para vencer o sufrágio.

O escritório de Netanyahu reagiu aos comentários de Diskin, ao afirmar que eles "não têm base" e foram feitos porque o ex-chefe do Shin Bet ficou decepcionado em 2011, quando não foi nomeado por Netanyahu para comandar o Mossad, considerado mais poderoso. Questionado sobre a resposta, Diskin disse nesta sexta-feira ao escritório de Netanyahu: "tenham um bom Sabbath"

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.