Protestos no Chile por morte de estudante indígena causam confrontos

Manifestantes e policiais entraram em confronto durante protesto pela morte do universitário indígena Matías Catrileo.

Comentar
Compartilhar
04 JAN 201312h40

 A capital do Chile, Santiago, viveu nesta quinta-feira (3) momentos de tensão em decorrência de embates entre manifestantes e policiais durante protesto para lembrar a morte do universitário indígena Matías Catrileo, de 22 anos. Ele fazia greve de fome contra ações do governo e foi morto em 2005.

Integrante da comunidade Mapuche, uma das etnias mais ativas na política chilena, Catrileo virou uma espécie de símbolo nacional. Ontem manifestantes ocuparam as principais ruas de Santiago. Houve tentativas de invasões às agências bancárias do Banco Estado e do Banefe. Manifestantes encapuzados entraram em confrontos com os policiais.

Durante o protesto foi lançada uma bomba que provocou um incêndio perto das agências bancárias. Segundo os policiais, a violência foi causada por um grupo organizado. Automóveis e um caminhão foram incendiados durante a manifestação.

O ministro do Interior, Andrés Chadwik, apelou ontem para que os manifestantes evitem a violência.

Matías fazia greve de fome contra ações do governo e foi morto em 2005. (Foto: Divulgação)