Ilhas de calor favorecem tempestades violentas em SP

"Com uma grande área impermeabilizada, pouca vegetação, a umidade encontra poucos locais em que ela pode ser absorvida, o que favorece as tempestades", disse o meteorologista

Comentar
Compartilhar
26 FEV 201514h54

A capital paulista - e todo o Estado - devem continuar recebendo pancadas de chuva forte desta quinta-feira, 26, até domingo, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A força da chuva desta quarta-feira, 25, segundo o órgão, não é decorrente de nenhum fenômeno climático específico.

O que aconteceu, de acordo com o meteorologista Franco Villela, foi uma formação de chuva de verão comum, que encontrou na cidade condições para ficar mais violenta. "É a ilha de calor que se forma em São Paulo. Com uma grande área impermeabilizada, pouca vegetação e poucos corpos aquáticos, a umidade encontra poucos locais em que ela pode ser absorvida, o que favorece as tempestades mais violentas", disse o meteorologista.

Todo o Estado deve continuar recebendo pancadas de chuva forte desta quinta-feira, 26, até domingo (Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas)

Não foi, entretanto, um fenômeno climático que fugisse das escalas. "Nossa medição no mirante de Santana foi de 23,6 milímetros de chuva - 17 em pouco mais de uma hora. Para comparar, uma das tempestades históricas da cidade, ocorrida no começo dos anos 200o e que alagou o Pacaembu, registrou mais de 100 milímetros em uma hora", explicou Villela. "O que acontece é que, no centro da ilha de calor, onde a temperatura é mais alta, a chuva é mais intensa ainda", concluiu, referindo-se à região da Vila Prudente, onde a chuva teve muito mais intensidade e onde fica a bacia do Rio Tamanduateí.

Nesta quinta, a nebulosidade diminui pela manhã e as temperaturas voltam a subir rapidamente ao longo dia, o que favorece as pancadas de chuva, especialmente entre o meio da tarde e a noite. Há uma frente fria no Oceano Atlântico que tem contribuído para trazer umidade marítima à área da capital, com ajuda de zonas de baixa pressão atmosférica que permitem a aproximação das nuvens.