Força-tarefa universitária coíbe irregularidades na Vila Mathias, em Santos

Num estabelecimento à Rua Capitão Adolfo Milon, 20, a Vigilância Sanitária encontrou mais de 250 unidades de massa para comida mexicana e pote de requeijão com as validades vencidas

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201515h09

A segunda ação da Força Tarefa Universitária, criada pela Prefeitura para evitar crimes e a perturbação do sossego público nos entornos dasuniversidades, coibiu diversas irregularidades na noite de quinta (26) na Vila Mathias. O trabalho ocorreu nas imediações da Unip e da Unimonte e contou com cerca de 50 profissionais, entre fiscais das secretarias de Finanças e de Saúde, guardas municipais e agentes da CET, policiais civis e militares.

Num estabelecimento à Rua Capitão Adolfo Milon, 20, a Vigilância Sanitária encontrou mais de 250 unidades de massa para comida mexicana e pote de requeijão com as validades vencidas, além da necessidade de adequações no espaço. O proprietário foi intimado a tomar providências, multado em R$ 1.478,23 e o comércio embargado (fechado). Próximo ao local, um jovem foi flagrado pela Guarda Municipal jogando bituca de cigarro na via pública e multado em R$ 159,60.

Os fiscais do Departamento de Fiscalização Empresarial e Atividades Viárias (Defemp), da Secretaria de Finanças (Sefin), intimaram dois ambulantes licenciados da Avenida Francisco Manoel por não possuírem crachás para auxiliares e extintores de incêndio dentro da validade. Também retiraram propaganda irregular de aulas particulares em postes da Francisco Manoel e intimaram comércio no número 56 da via a encerrar atividade de restaurante (possui licença para lanchonete) e ambulante sem licença que vendia pipoca.

Já na confluência da Rua Antônio Bento com a Rangel Pestana, houve a apreensão de carrinho utilizado para o preparo e venda de churrasco que não tinha licença. O bar em frente também foi multado em R$ 1.478,23, devido a alimento com a validade vencida, e recebeu intimação para encerrar as atividades de lanchonete e restaurante.

Na Rua Comendador Martins, o estabelecimento do número 36 foi intimado a encerrar as atividades por não possuir alvará de funcionamento e o processo já ter sido indeferido pela Secretaria de Infraestrutura e Edificações. Bem próximo, no número 32, outro comércio recebeu intimação para encerrar a atividade de bar, pois possui licença de mercearia.

Na primeira força tarefa universitária, em 13 de fevereiro, um estabelecimento à rua Oswaldo Cruz, n° 300, também foi embargado (fechado) pela fiscalização por risco à saúde pública. No local, a Vigilância Sanitária encontrou obra em andamento no mesmo local onde eram preparados alimentos.