X
Cotidiano

Ex-prefeita de Peruíbe é acionada pelo MP sobre Parque da Cidade

Foi ­solicitado, ainda, pelo Ministério Público, a indisponibilidade dos bens de Ana Preto

Ministério Público quer responsabilizar a ex-prefeita de Peruíbe, Ana Preto, pelo abandono do Complexo Esportivo Parque da Cidade / Divulgação

O Ministério Público (MP) de Peruíbe ajuizou ação civil ­pública na Justiça por ato de improbidade administrativa contra a ex­prefeita Ana Maria Preto. Foi ­solicitado, ainda, a indisponibilidade dos bens da ex-prefeita que, até a publicação desta reportagem, não se manifestou sobre a ­questão.

Segundo apurado pelo MP, a empresa contratada para a construção do Complexo Esportivo Parque da Cidade notificou a Municipalidade de que o local não era guarnecido de guardas municipais e que havia vários ­saques ao imóvel. Assim, a empresa contratada reformou o local e entregou o bem à ­municipalidade em novembro de 2013.

Contudo, continua o MP, a ex-prefeita “insistiu em deixar o local abandonado e desprovido de qualquer segurança sem qualquer justificativa razoável. Sua negligencia permitiu a prática de atos de vandalismo contra referido equipamento público, redundando em sua inutilização e, por via de consequência, desperdício de recursos públicos na ordem de R$ 3,8 milhões”.

Abandono

Para a Promotoria, o abandono e depredação do bem significam, de modo inquestionável, prejuízo ao erário, pois na construção do bem foram empregados recursos públicos desperdiçados com a destruição do patrimônio público.

Tal problemática, continua o MP, além de representar dano ao patrimônio público, é passível de gerar problemas de saúde e segurança pública. Isto porque há na área do complexo uma piscina, a qual, pela falta de manutenção, pode se tornar um ambiente propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, vetor de transmissão da dengue, chikungunya, febre amarela, “permitindo o alastramento da doença na região. Além disto, a presença de dejetos de humanos e de animais constitui um cenário favorável à multiplicação de doenças”.

Segurança

O Ministério Público acredita que a segurança pública pode vir a ser vulnerada, pois o abandono do local permite sua constante invasão e utilização como palco de inúmeros crimes, dentre eles a venda e consumo de entorpecentes devido ao afluxo clandestino de pessoas. Em razão destes fatos, o MP pleiteou a condenação de Ana Preto por atos de ­ ­improbidade administrativa que ocasionaram danos ao erário e violação dos princípios da ­Administração.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Atlético-MG conquista o Campeonato Brasileiro após 50 anos

Galo vira em 5 minutos e garante o bicampeonato da competição

Saúde

Anvisa aguarda dados da Pfizer sobre variante delta para decidir sobre vacina para crianças

Ministério da Saúde prevê, no plano de vacinação do próximo ano, imunizar 70 milhões de crianças, o que depende de aprovação da agência

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software