Estudo inédito analisa árvores em praças

Os dados ampliam o conhecimento sobre o conjunto de árvores da cidade e darão suporte ao Plano Municipal de Arborização Urbana.

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201411h36

Em 101 praças de Santos há 3.113 árvores. São 118 espécies, das quais 63% exóticas (originárias de outros países), 37% nativas do Brasil e, destas, 25% da Mata Atlântica. Os dados preliminares fazem parte do primeiro levantamento do gênero realizado pela prefeitura e foram apresentados durante reunião do Condema (Conselho Municipal do Meio Ambiente), realizada na quarta (5).

O estudo foi feito nos últimos quatro meses pela bióloga Sandra Regina Pardini Pivelli, da Semam (Secretaria do Meio Ambiente) que visitou as praças. O trabalho será concluído em maio. A espécie mais recorrente, aponta Sandra, é a palmeira jerivá, seguida pelo chapéu de sol. Já o bairro com maior número de praças é a Ponta da Praia (13).

Segundo a bióloga, é comum encontrar espécies plantadas pelos munícipes, até mesmo bananeiras, o que dificulta a manutenção adequada das áreas verdes. Ainda preliminares, os resultados fazem parte da primeira etapa de um dignóstico realizado em todas as regiões da cidade, segundo o secretário adjunto do Meio Ambiente, Mauro Haddad.

Em 101 praças de Santos há 3.113 árvores. São 118 espécies, das quais 63% exóticas (originárias de outros países), 37% nativas do Brasil e, destas, 25% da Mata Atlântica

Os dados ampliam o conhecimento sobre o conjunto de árvores da cidade e darão suporte ao Plano Municipal de Arborização Urbana, que prioriza ao plantio de espécies da Mata Atlântica.

Fotos: Marcelo Martins