Escritor de Santos relança livro para debater educação nacional

A publicação volta ao mercado em uma nova edição, dessa vez pela Kotter Editorial, e tenta trazer luz ao atual cenário educacional retrógado no Brasil

Comentar
Compartilhar
20 SET 2021Por LG Rodrigues08h00
Escritor teve cuidado para tentar evitar levar o leitor a cair em uma publicação de linguagem difícil e incompreensívelEscritor teve cuidado para tentar evitar levar o leitor a cair em uma publicação de linguagem difícil e incompreensívelFoto: Nair Bueno/DL

Filosofia 'pra já' e com total urgência, clama o escritor e professor de Santos, Diego Monsalvo, em seu recém relançado livro. Batizada de 'Filosofia Urgente', a publicação volta ao mercado em uma nova edição, dessa vez pela Kotter Editorial, e tenta trazer luz ao atual cenário educacional retrógado no Brasil enquanto faz uma apresentação descomplicada aos leitores deste estudo tão vasto e tão antigo sobre questões existenciais e de conhecimento.

O relançamento de Filosofia Urgente é realizado por seu escritor em um momento considerado pelo mesmo como crítico e no qual a educação, considerada por ele como base para a sociedade, passa por um processo que vai além da estagnação e que pode ter custo alto para o País a longo prazo.

"O grande tema do livro, como o próprio nome diz, é a urgência da necessidade da filosofia. Mais uma vez ela deveria ser vista como aquela que é chamada para clarear as ideias e mentes para ações de transformação de toda a civilização brasileira, de toda a humanidade brasileira desse momento", explica Monsalvo.

O primeiro grande cuidado tomado pelo escritor na composição do livro foi de tentar evitar levar o leitor a cair em uma publicação de linguagem difícil e compreensível apenas para os estudiosos da área. Em resumo, 'Filosofia Urgente' se trata de um livro feito para que tanto o adolescente ou adulto inexperiente na área, e a pessoa com um pouco mais de compreensão sobre o estudo, possam começar a folhear a publicação e acompanhar seu conteúdo de forma clara, simples e objetiva.

"Você tem que fazer uma linguagem mais acessível, mais próxima das pessoas, no sentido de que as pessoas se aprofundem e entendam aquilo e onde você quer chegar".

Ao longo de aproximadamente 150 páginas, Monsalvo debate sobre moralidade e moral ao mesmo tempo em que faz um relato da educação humana ao longo dos anos em território nacional. Um dos principais destaques de 'Filosofia Urgente' se dá exatamente em 'nacionalizar' o estudo, destacando o trabalho feito em território brasileiro nos últimos séculos, mas sem esquecer das influências vindas do outro lado do oceano provindas de anos de colonização portuguesa.

"Eu começo falando da importância da pesquisa na área da ciência, da educação, e vou falando os princípios metodológicos que levam a fazer uma boa pesquisa e os caminhos que me levaram a fazer esse livro. O segundo momento do livro é quando eu passo de fato pela história da filosofia no Brasil, especificamente no que diz respeito à sua aplicação na educação, porque se eu fosse pegar a história da filosofia eu teria que voltar aos jesuítas no Brasil, depois a Faculdade de Direito do Recife, e aí os primeiros grandes filósofos brasileiros. Essa não é a intenção. A minha intenção era mostrar para um público amplo como a filosofia veio impactando a vida das pessoas e foi sendo impactada por decisões políticas, ideológicas, nesse período todo desde a criação do Ministério da Educação, com Getúlio Vargas, meu recorte é muito claro".

"É um livro que nacionaliza a questão da filosofia. O importante do livro é ressaltar que o impacto educacional é o impacto mais duradouro que um país pode legar às suas gerações futuras. Ele é muito pouco trabalhado em todas as áreas", ressalta.

O desenvolvimento da escola no Brasil, seus objetivos e legado são regados durante o livro, ainda, por trabalhos de Marilena Chauí e Bernard Charlot, mas tudo isso deve ser conferido pessoalmente por cada leitor em 'Filosofia Urgente', que já pode ser encontrado no portal da Kotter Editorial e em livrarias de todo o Brasil.