X

AJUDA

Entenda como preparar o imposto de renda em 2024

Veja quais os procedimentos e os documentos necessários para realizar o processo

Da Reportagem

Publicado em 02/03/2024 às 21:00

Atualizado em 15/03/2024 às 10:44

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Declarar o Imposto de Renda parece um bicho de sete cabeças, mas não precisa ser / Nataliya Vaitkevich

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

Anote na agenda: você tem de 15 de março até 31 de maio para fazer a declaração do Imposto de Renda. No entanto, se seu rendimento mensal é de no máximo R$ 2.824, não há com o que se preocupar. De acordo com uma Medida Provisória (MP) publicada pelo Governo Federal no início de fevereiro a faixa de isenção foi ampliada - anteriormente, contribuintes com rendimento mensal de até R$ 2.112 precisavam prestar contas. Com a nova regra, 15,8 milhões de brasileiros estão isentos da declaração, segundo o Ministério da Fazenda.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

“O imposto de renda serve para declarar todos os bens e rendimentos que a pessoa obteve no ano anterior”, explica a advogada tributária e contabilista Mayra Saitta. Mas, além disso, ele tem um propósito em larga escala: dá a possibilidade que o Governo Federal ter  maior controle sobre os gastos e poder dar retorno com um maior investimento em áreas como saúde, educação, segurança e vários tipos de serviços públicos. 

Como sair do vermelho e juntar dinheiro?

Declarar o Imposto de Renda parece um bicho de sete cabeças, mas não precisa ser. Por isso, é importante reunir todos os documentos, notas e informes de rendimentos com antecedência para não cometer erros e correr o risco de cair na malha fina. A seguir, confira tudo o que é necessário para fazer a declaração do IR sem dores de cabeça:

Quem precisa declarar?

De acordo com a Receita Federal, a  declaração é obrigatória para quem:

Ter rendimento acima do limite (R$ 2.824 mensais); 
Residir no Brasil (em qualquer mês em 31 de dezembro do ano-calendário);
Realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e semelhantes, acima do limite;
Obteve posse ou propriedade em 31 de dezembro do ano-calendário, de bens ou direitos, acima do limite;
Ter receita bruta na atividade rural em valor acima do limite;
Ter ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito ao imposto, ou optar  pela isenção sobre a venda de imóveis, seguido pela compra de um outro em até 180 dias.

Documentos necessários

Separe os seguintes documentos: carteira de identidade, CPF (RGs mais recentes possuem o CPF), título de eleitor e comprovante de residência atualizado. Também é preciso ter em mãos um comprovante de rendimento do trabalho e a declaração de Imposto de Renda de 2023 (referente aos rendimentos de 2022), se tiver. 

Pais podem ficar com dinheiro dos filhos? Saiba o que diz a lei

Além destes documentos, Saitta cita outros que são indispensáveis, como os informes de rendimento que a pessoa teve (de onde trabalhou ou é proprietário), informes de rendimentos de bancos, de aplicações, notas fiscais de exames médicos, consultas, fisioterapias, dentistas, comprovantes de pagamento de despesas como escola, faculdade, plano de saúde, entre outros. Absolutamente todos os bens devem ser declarados, como imóveis, veículos, terrenos, entre outros.

A declaração pode ser feita de forma virtual por meio do site do Ministério da Fazenda, baixando o programa para computador ou o aplicativo para celular Android ou iOS.   

E quem  não declarar?

É bom separar os documentos com antecedência, pois a penalidade é amarga. “Quem não declarou dentro do prazo, pode declarar a qualquer momento, só que vai ter uma multa. Ela começa em R$165,74 e pode variar de 1 a 20%, de acordo com o valor da renda”, explica a contabilista.  

Além disso, enquanto a declaração não for enviada, a pessoa fica com o CPF pendente. Isso significa que ela não pode abrir ou movimentar contas bancárias de qualquer tipo, tirar passaporte, receber aposentadoria, comprar ou vender imóveis, participar de concurso público, entre outros.

Por isso, Mayra Saitta reforça a importância de fazer a declaração com antecedência: “Quanto mais cedo correr atrás do que precisa e dar entrada na declaração, menos riscos de entregar de última hora, esquecer de algum documento, fazer a declaração errada e depois ter que retificar”, diz.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

REGIÃO NORTE

Embarcação com vários corpos em decomposição é encontrado no Pará

A Polícia Federal já esta ciente do caso e as investigações já foram iniciadas

Esportes

Preparo físico sem lado mental não garante sucesso esportivo, afirma especialista

Psicológico é um ponto-chave nos Jogos Olímpicos de Paris

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter