Ebola: crianças de Serra Leoa começam a voltar às aulas

As salas de aulas têm estado vazias desde que o governo anunciou estado de emergência, em julho de 2014, em resposta ao surto que já matou 10.500 pessoas, quase todas em Serra Leoa

Comentar
Compartilhar
14 ABR 201513h42

Cerca de 1,8 milhão de crianças de Serra Leoa começam a voltar hoje (14) gradualmente à escola, mais de oito meses depois da suspensão das aulas para conter a propagação do vírus ebola.

As salas de aulas têm estado vazias desde que o governo anunciou estado de emergência, em julho de 2014, em resposta ao surto que já matou 10.500 pessoas, quase todas em Serra Leoa, na Libéria e na Guiné-Conacri.

Mais de 3.800 mortes ocorreram em Serra Leoa, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Isso é um passo muito importante na normalização da vida no país”, disse o representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em Serra Leoa, Roeland Monasch, em comunicado.

Mais de 3.800 mortes ocorreram em Serra Leoa, segundo dados da OMS (Foto: Agência Brasil)

“Educação para todos é uma parte fundamental do processo de recuperação", acrescentou.

Com a diminuição do índice de novas infecções, o início da reabertura das aulas foi marcado para 30 de março, mas o registro de novos casos, sobretudo em torno da capital, Freetown, e em três distritos ocidentais, fez com que fosse adiado para hoje.

Em seu último balanço, a OMS indicou que na semana até 5 de abril foram registrados 9 casos de ebola em Serra Leoa, depois de, na semana anterior, terem sido registrados 25. Foi a quinta queda semanal consecutiva e o menor número de casos em uma semana, em quase um ano.

Para garantir a segurança dos alunos, o Unicef deu curso de formação sobre prevenção do ebola a cerca de 9 mil professores.