Distribuidoras de energia vão pedir ao governo mais R$ 7,9 bilhões

Os cálculos originais dos empresários do segmento apontavam um buraco de R$ 7,2 bilhões na contabilidade da distribuição eletricidade para os próximos oito meses

Comentar
Compartilhar
09 MAI 201417h56

O gigantesco empréstimo bancário de R$ 11,2 bilhões para as distribuidoras de energia anunciado em março pelo governo não durou até o fim do mês passado. Cerca de R$ 8,7 bilhões foram gastos apenas para cobrir o rombo da companhias de fevereiro e março. Os R$ 2,5 bilhões restantes não serão suficientes para pagar pelo buraco de abril - que será liquidado em junho. Por isso, a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) vai pedir ao governo mais R$ 7,9 bilhões para que as empresas do setor consigam honrar seus compromissos entre maio e dezembro de 2014

Os cálculos originais dos empresários do segmento apontavam um buraco de R$ 7,2 bilhões na contabilidade da distribuição eletricidade para os próximos oito meses. Mas no começo da tarde desta sexta-feira, 9,a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) corrigiu os valores da parcela para cobrir o rombo de março, que passou de R$ 3,3 bilhões para R$ 4 bilhões.

Somados com os R$ 4,7 bilhões que foram usados para pagar fevereiro, o total desembolsado passou de R$ 8 bilhões para R$ 8,7 bilhões para os dois meses. Com isso, os R$ 3,2 bilhões de crédito que sobrariam para pagar a conta de abril viraram R$ 2,5 bilhões, insuficientes para pagar a fatura."Nós acreditamos que os R$ 3,2 bilhões dariam para pagar apenas a liquidação de abril, que ocorrerá em junho. A própria Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) já tem conhecimento disso", disse ao jornal "O Estado de S. Paulo" o presidente da Abradee, Nelson Leite. Para a Associação, o empréstimo não cobre R$ 700 milhões do rombo do mês passado.

Os recursos são usados para cobrir a necessidade das empresas de distribuição de luz comprarem eletricidade no mercado à vista, já que não conseguiram contratos de longo prazo suficientes para suas demandas no leilão de energia realizado no fim do ano passado. Além disso, o dinheiro ajuda a pagar o alto custo da energia térmica durante a estiagem que derrubou os níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas desde o ano passado.

As distribuidoras de energia vão pedir ao governo mais R$ 7,9 bilhões (Foto: Divulgação)

Curto prazo

Com o leilão emergencial realizado no último dia de abril, essa exposição das distribuidoras ao preço elevado cobrado no mercado de curto prazo caiu significativamente, mas, nos cálculos da Abradee, essa necessidade de recorrer ao suprimento à vista custará mais R$ 1 bilhão até o fim do ano."E o próprio leilão gerou um custo adicional, porque a energia foi comercializada a R$ 268 por MW/hora, mas as distribuidoras que tiveram seus reajustes anuais de tarifas antes de abril estão sendo remuneradas em menos de R$ 150 por MW/hora. Essa diferença terá um impacto de mais R$ 1,2 bilhão até dezembro", acrescentou Leite.

Além disso, a estimativa da Abradee para o gasto com o despacho das usinas térmicas de maio a dezembro é de mais R$ 1,5 bilhão. "E há ainda outro custo, que é o chamado risco hidrológico, que agora passou a ser dividido com os consumidores. Essa conta corresponde aos períodos em que as hidrelétricas geram menos e precisam comprar eletricidade no mercado à vista. A nossa estimativa para essa variável é de mais R$ 3,5 bilhões até o fim do ano."

Aporte

Para Leite, as companhias de distribuição não têm como arcar com esses R$ 7,9 bilhões e precisarão sim da ajuda do governo. O executivo, no entanto, acha muito difícil que o Tesouro Nacional faça um novo aporte para o setor.

"Mas é possível se buscar uma solução de mercado, como foi feito com os R$ 11,2 bilhões por intermédio da CCEE. Não sei se usando o mesmo modelo de empréstimo com os mesmos bancos, mas o governo vai ter que pensar nisso. Trata-se, afinal, de um valor bem mais baixo do que aquele já foi negociado", concluiu.