X
Cotidiano

Descaso e assaltos a qualquer hora do dia marcam o Jardim Botânico, em Santos

O equipamento aos poucos vem deixando de ser um espaço verde agradável, de 90 mil metros quadrados, para se tornar o reflexo do descaso público

Segundos os frequentadores, as abordagens são realizadas por assaltantes dentro e fora do equipamento da Zona Noroeste / Nair Bueno/DL

Longe dos olhares de boa parte dos santistas e turistas que só conhece o lado praia de Santos e pouco se aventura à Zona Noroeste, o Jardim Botânico Chico Mendes, localizado à Rua João Fracarolli, s/n, no Bom Retiro, aos poucos vem deixando de ser um espaço verde agradável, de 90 mil metros quadrados, para se tornar o reflexo do descaso público e palco de assaltos a qualquer hora do dia.

Segundo moradores, cujos nomes foram preservados para não piorar ainda mais a situação, o nome Bom Retiro também aos poucos vem perdendo o sentido, pois se de dia está difícil de evitar que ladrões roubem as pessoas que buscam um espaço livre e aberto em momentos de pandemia, à noite, em seu exterior, não existe a menor chance de não correr riscos. Por isso, as palavras de ordem são: não circular o equipamento sem a luz do sol.  

Por razões óbvias, os frequentadores não quiseram se manifestar com medo de, na próxima investida, a questão não se resumir apenas na perda de pertences pessoais e tudo que tiver na carteira. Mas a situação está longe de ser razoável, pois os bandidos estão agindo também dentro do equipamento público, utilizando o velho fator surpresa.

Segundo contam, de nada adianta uma guarita da Guarda Civil Municipal (GCM), pois o agente, cuja função não policial, mas de preservação de equipamentos públicos, não tem a menor condição de conter as ações cada vez mais ousadas, com a abordagem de pais e mães na frente das crianças. Muitos atribuem o que está ocorrendo ao Bom Retiro à falta de emprego e instabilidade econômica que se encontra o Brasil atual.

BRINQUEDOS.

Além de não conseguir conter a violência, a GCM que presta serviço no equipamento também não está conseguindo conter o vandalismo que assola o Jardim Botânico, principalmente em relação aos brinquedos infantis que o equipamento oferece.

Imagens enviadas à Reportagem mostram brinquedos adaptados quebrados, pisos táteis para deficientes deficitários e outros problemas. Uma das pessoas informa que a última manutenção, programada para dezembro do ano passado, não ocorreu. Ou seja, há nove meses que a Prefeitura de Santos não faz zeladoria como deveria a merece o "Velho Chico".

Conforme divulga a Administração, com acervo vivo de mais de 300 espécies vegetais catalogadas, divididas em 20 coleções botânicas, como espécies da Amazônia, da Mata Atlântica, árvores de madeira de lei, 65 espécies de palmeiras e espécies em extinção, o Jardim Botânico pode ser apreciado em passeio monitorado.

O parque possui playground, além de mais de 1.000 metros de alamedas asfaltadas, iluminadas e com marcos de distância a cada 100 metros, que facilita práticas esportivas. Dispõe de bancos e mesas de madeira, ideais para contemplação dos três lagos, que abrigam tilápias e carpas, e recebem frequentemente a visita de aves aquáticas.

O equipamento começou a ser formado em 1925, no antigo Horto Municipal, que ficava ao lado da Santa Casa, onde jardineiros da Prefeitura plantaram as primeiras mudas.

Em 1973, esse cultivo passou a ser feito no terreno atual, no Bom Retiro, que se transformou em Jardim Botânico em 1994 e passou a acolher programas de conservação das espécies, principalmente nativas da Mata Atlântica.

ESTADO.

Sobre a situação de insegurança sofrida no exterior do equipamento, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Governo do Estado informa que o policiamento preventivo e ostensivo no entorno do Jardim Botânico Chico Mendes é reorientado e intensificado com base na análise dos índices de ocorrências criminais. Os famosos boletins de ocorrência.

A Polícia Civil não localizou registros recentes de roubos na rua citada pela reportagem. O registro do boletim de ocorrência é importante não só para a investigação mas, principalmente, para a orientação do policiamento nas ruas. A comunicação pode ser feita em qualquer DP ou pela Delegacia Eletrônica (www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br).

Para finalizar, argumenta que o efetivo atua por meio dos programas Força Tática, Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (ROCAM), Ronda Escolar, Radiopatrulha e Policiamento Comunitário e garante que, de janeiro a junho deste ano, o trabalho conjunto das polícias Civil e Militar na Cidade possibilitou a prisão e apreensão de 930 criminosos, a recuperação de 180 veículos roubados ou furtados e a apreensão de 66 armas ilegais.

PREFEITURA.

A Secretaria de Meio Ambiente (Semam) informa que a área onde ficam os brinquedos mencionados pela Reportagem ficou fechada por um ano em decorrência da pandemia. Com a reabertura, a área já passou por manutenção na semana passada. Com relação à fiscalização contra vandalismos aos equipamentos de lazer, a Prefeitura não enviou nenhuma posição da GCM.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Brasil

Governo: Mário Frias contrata por quase R$ 4 milhões empresa sem licitação e sem funcionários

A sede da empresa seria uma caixa postal em um escritório virtual a 2.400 km do Rio de Janeiro

Polícia

Corregedoria investiga aparição de pênis de borracha em academia da PM

A academia do Barro Branco tem aproximadamente 660 cadetes, além de cerca de 140 funcionários

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software