Crime organizado matou 60 mil pessoas no México em quatro anos, diz governo

Os dados foram revelados pelo próprio governo e divulgados pela subsecretária de Direitos Humanos do México, Lía Limón

Comentar
Compartilhar
26 FEV 201321h12

Levantamento divulgado hoje (27) pelo governo mexicano revelou que, como consequência da ação do crime organizado e de traficantes, o país contabilizou o desaparecimento de 26.121 pessoas e registrou a morte de 60 mil pessoas entre 2006 e 2012, durante o mandato de Felipe Calderón. Os dados foram revelados pelo próprio governo e divulgados pela subsecretária de Direitos Humanos do México, Lía Limón. O governo de Calderón reconhece que o país vive um dos momentos mais violentos de sua história.

Segundo as organizações humanitárias que atuam no país, a quantidade de desaparecidos no México é maior do que as vítimas de ditaduras militares como a do Brasil, do Chile e da Argentina. Para tentar apoiar às famílias de desaparecidos, o governo está implementando um registro nacional de pessoas desaparecidas, porque uma lei de abril do ano passado tornou obrigatória a criação deste tipo de cadastro.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o México está entre os 25 países mais violentos do mundo e o segundo mais violento da América Latina (atrás da Colômbia), de acordo com o Índice de Paz Global de 2012, elaborado pelo Instituto para a Economia e a Paz. O governo do país atribui a violência à ação do crime organizado na região. A América Central e o México são a principal rota de escoamento da produção de cocaína produzida na área andina da América do Sul (Colômbia e Peru) com destino aos Estados Unidos.