SEDUC

Contra apagão no SE, outras regiões ficam sem reservas

O objetivo é garantir o suprimento no horário de pico dos maiores centros de consumo e evitar riscos de apagão

Comentar
Compartilhar
17 FEV 201512h41

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) tem enviado a maior parte da "energia de reserva" de que o setor elétrico dispõe para as Regiões Sudeste e Centro-Oeste do País. O objetivo é garantir o suprimento no horário de pico dos maiores centros de consumo e evitar riscos de apagão, como o ocorrido no dia 19 de janeiro, quando 11 Estados e o Distrito Federal ficaram sem energia.

Por outro lado, regiões como o Sul, que hoje tem exportado grande parte da energia consumida no restante do País, têm atravessado os dias com índices bem inferiores ao volume recomendado.

Conhecida no setor como "reserva girante", essa parcela de energia corresponde a uma sobra equivalente a 5% da eletricidade total consumida no País. Na prática, essa potência fica à disposição do ONS, que pode convocar as usinas para a entrega imediata da energia no momento em que perceber um aumento no consumo.

O ONS tem enviado a maior parte da

O presidente da consultoria Thymos Energia, João Carlos Mello, afirma que a Região Sudeste requer mais reservas, justamente porque é a maior consumidora de energia do País. Além disso, é a região que mais sofre hoje com a queda drástica nos níveis de seus principais reservatórios, ao lado do Nordeste. "Essa alternativa dá mais segurança para o abastecimento no Nordeste, que está mais próximo do Norte e pode receber energia de lá, caso haja um aumento na demanda local. O Sudeste, por estar mais distante, precisa de reservas locais", explicou Mello.

Do apagão para cá, o ONS tem concentrado grande parte da sobrecarga disponível nas duas, tendo ficado com um saldo inferior ao recomendado em uma única ocasião. Na última segunda-feira, por exemplo, a reserva girante para o Sudeste e Centro-Oeste chegou a atingir 8.176 MW, superando em mais de cinco vezes o volume recomendado.

"A realidade é que não temos outra opção. Essa é a única estratégia possível", disse João Carlos Mello.

A melhora no volume de chuvas nos últimos dias e o feriado de carnaval tendem a aliviar a carga sobre o sistema elétrico.